Os mitos à volta da cozinha, apenas me desafiam a entrar num ambiente que sempre gostei. Comer é um prazer, um acto social. Gosto de experimentar novos sabores e novas formas de cozinhar. Recordo os cheiros e sabores da infância, assim como após as minhas viagens venho para casa tentar reproduzir ou adaptar pratos que provei de outras culturas. Ouse e surpreenda os seus convidados ou a si próprio. Cozinhe,... sem tabus!


segunda-feira, 31 de Maio de 2010

Soja com Camarão, Goji e Endro


 

Digam lá que a cor deste prato não é fantástica? A velha máxima: os olhos também comem. Esta receita pode ser utilizada como uma refeição principal ou como entrada.

Quanto à soja essa excelente leguminosa, utilizei congelada.

As bagas vermelhas -goji- são bagas laranja/avermelhado intenso, de tamanho semelhante a uma passa e com um sabor similar a uma combinação entre o mirtilo e a cereja (foi o que li no folheto que estava junto à embalagem que adquiri). Parecem piripiris mas as goji são adocicados. São provenientes do norte da China. Tem bastantes qualidades nutritivas e um excelente elemento visual, tanto para usar em saladas, decoração de doces, acompanhar com iogurte natural/grego, misturadas com arroz branco e até mesmo em pratos de carne.

O endro, erva aromática que também é conhecida como aneto, é parecida ao funcho. Combina muito bem em pratos de peixe e para aromatizar saladas, batatas, e mais uma vez visualmente resulta bem pela delicadeza dos seus raminhos.

Ingredientes: (para 4 pessoas)

1 embalagem de 450 gr. de soja congelada
450 a 500 gr. de camarão cozido com casca
1 punhado de bagas goji
2 raminhos de endro
sumo de limão (ou vinagre de cidra)
azeite

Preparação:

Coza a soja em água a ferver com um pouco de sal tal qual como se estivesse a cozer favas ou ervilhas. Verifique provando uma ou duas. Escorra a água e num passador de rede passe-as por água fria. Reserve.

Descasque o camarão. Prepare o molho misturando bem azeite e sumo de limão. Mergulhe as baga goji no molho uns 3 minutos para voltarem a hidratar um pouco.

Junte os camarões à soja e regue com o molho e as goji. Decore com o endro.

sexta-feira, 28 de Maio de 2010

Molotoff


Um bom molotoff tem muito poucos segredos, apenas alguma técnica e uma pitada de cuidados. Muita gente com quem já falei dizem-me que nunca arriscaram fazer ou que, se tentaram, abateu muito e ficou por metade. Ora os meus não precisam de uns pózinhos que existem para os manter firmes, nunca me perdi a procurar tais pózinhos no supermercado.

Ingredientes:

10 claras de ovo
10 colheres de sopa de açúcar para as claras
10 colheres de sopa de açúcar para o caramelo
1 colher de sopa de água para o caramelo
Caramelo líquido para decorar (para facilitar use de compra)

Se quiser cobertura com creme de ovos:
10 gemas
10 colheres de sopa de açúcar
10 colheres de sopa de água

Se quiser alterar as quantidades é muito fácil, onde lê 10 (claras, colheres de açúcar,...) use 8, 12, o que entender. Com menos de 8 fica pequeno. Aposte entre as 10-12 claras. Pode usar as claras congeladas, desde que as descongele e fiquem à temperatura ambiente.

Preparação:

Ligue o forno e ponha água a ferver para o banho-maria da cozedura. Inicie com a batedeira em velocidade média até que as claras comecem a montar. Verta o açúcar aos poucos e deixe bater mais uns minutos na velociade máxima até atingir um chantilly bem firme.

Entretanto já tinha colocado numa frigideira as 10 colheres de açúcar com a colher de água em lume médio para preparar o caramelo. Vai demorar-lhe uns 7-8 minutos. Não tente misturar o açúcar com uma colher, vai dar mau resultado: formam-se grumos e fica tudo pegado à colher. Com o passar dos minutos o açúcar vai-se transformando em líquido. Quando muito abane a frigideira em movimentos circulares, mas não tente meter uma colher lá dentro. Quando todo o açúcar estiver líquido, fique mais atento(a), reduza o lume e vá mexendo a frigideira nos tais movimentos circulares até que começa a ganhar a cor acastanhada. Controle bem o ponto, caso contrário em poucos segundos pode perder todo o caramelo por ficar demasiado escuro e consequentemente com sabor amargo/queimado.

Assim que terminar o caramelo passe de imediato a misturá-lo com as claras batidas. Se se distrair fica com uma pedra de açúcar caramelizado solidificada na frigideira. A fase mais delicada vem a seguir. Se tiver a ajuda de alguém melhor. Peça ao seu ajudante que verta um pouco do caramelo para dentro das claras, mexa de IMEDIATO, com uma colher-de-pau muito rapidamente por uns 3-4 segundos, repita logo com mais um pouco de caramelo, mexa novamente e repita mais 3 a 4 vezes até acabar o caramelo. Esta operação completa deve ser feita em 30 a 40 segundos. Atenção que o caramelo está demasiado quente, muito cuidado para não lhe verterem caramelo ou salpicos para as suas mãos. A mistura do caramelo com as claras deve ser feita à mão e não na batedeira.

Barre bem uma forma de buraco no meio com manteiga. Com uma espátula de silicone verta a mistura para a forma. Alise bem. Coloque a água a ferver num tabuleiro alto de ir ao forno. Ponha a forma sob a água e feche o forno. Tempo total de cozedura: 15 minutos (5 minutos a 200º + 10 minutos a 185º). Não abra o forno. Coloque a grelha um nível mais baixo dado que o molotoff irá sair da forma uns 3 a 4 dedos. Previna-se porque seria frustante o seu molotoff ficar colado no tecto do forno.

Para mim um dos principais segredos vem a seguir. Terminados os 15 minutos, abra o forno para que o calor comece a sair. Abra a porta primeiro até meio, passado um pouco toda. Note que deve ter a cozinha com portas e janelas fechadas. A própria cozinha deve estar quente. Se o molotoff for exposto a uma significativa diferença de temperatura vai reduzir de imediato e bastante. Quando o vou desenformar até costumo passar o prato por água quente da torneira para evitar o contacto com algo frio.

Com uma mão em concha segure a forma pelo buraco do meio, com a outra coloque o prato por cima, sem tocar para não esborrachar com o peso. Com um pouco de agilidade vire as duas mãos ao mesmo tempo. Puxe a forma com cuidado et voilá, un molottoff trés jolie! Deixe-o arrefecer por exemplo em cima do fogão, local que ainda estará algo quentinho.

Se quiser decorar com caramelo líquido eu sou muito prático, uso de compra e derramo por cima um pouco para que escorra pelas laterais. Se preferir uma cobertura de creme de ovos faça assim:

Misture com uma colher-de-pau as 10 gemas com as 10 colheres de açúcar e as 10 de água. Passe por um coador. Em lume brando e sempre sem parar de mexer com a colher de pau, deixe cozer até engrossar e ficar com a consitência de creme de ovos. Espalhe por cima do molotoff e guarde-o no frigorífico.

quinta-feira, 27 de Maio de 2010

Panqueca Enrolada com Canela


Esta panqueca enrolada é uma delícia, servida ainda morna com o seu sabor a canela e limão fica sublime com aquela camadinha de açúcar em que é passada. Para um lanche e para um daqueles dias em que nos apetece fazer disparates... podemos sempre dizer: "era o meu nível de glicemia que estava baixinho" (mentira, mentira,...).

Ingredientes: (por panqueca)

1 ovo
2 colheres de sopa cheias de farinha
2 colheres de sopa de açúcar
2 colheres de sopa de água
raspa de limão
canela a gosto

Para cobrir: açúcar misturado com canela

Preparação:

Junte os ingredientes todos de uma vez e bata energicamente com uma colher até obter uma massa homogénea e borbulhante.


Frite em lume brando num pouco de manteiga. Enrole como se tratasse de uma omeleta. Entre cada volta vá pressionando com um garfo. Distrai-me um pouco e ficou mais tostada que o meu ponto habitual. A última volta deve selar a panqueca.



Corte em fatias da grossura de um dedo e passe-as por açúcar misturado com canela. Estão prontas a comer.

quarta-feira, 26 de Maio de 2010

Filetes de Truta Salmonada Panados com Ervas Aromáticas


Este filete de truta salmonada, serviu para acompanhar as favas sapatadas cuja receita já aqui publiquei. Como referi, favas sapatadas para mim têm de fazer parceria com peixe frito (as poucas ocasiões em que me meto nos fritos). Para combinar com a cor delas fiz um panado com ervas frescas cuja mistura tenho disponível no meu congelador.

Ingredientes: (para 2 pessoas)

2 filetes de truta salmonada
sumo de meio limão
sal
1 ovo
5 tostas de trigo
2 colheres de sopa de uma mistura de ervas frescas
50 gr. de margarina culinária

Preparação:

Comece por triturar as tostas junto com as ervas. Vai obter um pão ralado esverdeado como este:


Os filetes que já estavam temperados com sal e sumo de limão com pelo menos uma hora de antecedência, devem ser escorridos e passados por papel absorvente. Passe-os por ovo batido e logo em seguida pelo pão ralado que acabou de preparar.


Frite em margarina e em lume brando uns quatro a cinco minutos de cada lado. Vire-os com cuidado.

 

Coloque-os sob papel absorvente para reter alguma gordura. Acompanhe com as favas sapatadas, com salada russa ou com salada de legumes.


terça-feira, 25 de Maio de 2010

Bolo Fofo Anisado com Cobertura Glacé






Este bolo é muito fofo, aromatizado com anis e com uma cobertura de glacé crocante. Fica húmido muito saboroso. É quase impossível comer-se só uma fatia.

Ingredientes: (para um bolo pequeno/médio)

5 ovos
5 colheres de sopa bem cheias de farinha
1 colher de chá de fermento
9 colheres de sopa de açúcar
1 cálice cheio de Moscatel aromatizado com anis

Preparação:

Uma semana antes coloque a quantidade de dois cálices de Moscatel (usei de Setúbal) num frasquinho de vidro muito bem limpo e sem odores. Junte quatro estrelas de anis e feche hermeticamente. Na semana seguinte quando abrir o Moscatel ele exalará um rico odor a anis. Se decidir fazer um bolo maior dobre todas as quantidade e daí a razão dos dois cálices.

Bata muito bem as gemas com o açúcar. Junte o cálice de Moscatel anisado, bata mais um pouco numa velocidade mais reduzida (para evitar salpicos). Na mesma velociadade vá incorporando a farinha misturada com o fermento depois de ter sido peneirada.

Bata as claras em castelo firme e incorpore-as na massa suavemente para não quebrarem. Deite o preparado numa forma untada com manteiga e polvilhada com farinha. Leve a cozer a 180º durante 30 minutos aproximadamente. Verifique com um palito se está cozido.

Como este bolo fica tão fofo devido à pouca quantidade de farinha e maior quantidade de claras, tem tendência para diminuir um pouco depois de frio.

Para o glacé:

Bata ligeiramente uma clara de ovo e junte a 200 gr. de açúcar em pó. Adicione também o sumo de meio limão. Com a varinha  bata até obter um creme branco uniforme e brilhante. Deixe repousar 10 minutos para que seque um pouco. Com uma colher volte a misturar e espalhe por cima do bolo frio. Deixe secar o glacé para o dia seguinte.

Logo a seguir a espalhar o glacé coloquei umas bolinhas prateadas e as estrelas de anis como elemento decorativo.

segunda-feira, 24 de Maio de 2010

Melão com Presunto (em Barco Pirata)


Quem não conhece o melão com presunto? Como gosto de decorações culinárias deixo hoje uma ideia para apresentar num barco pirata feito no próprio melão. O efeito final que se pretende é o de criar um barco pirata/fantasma (onde os fios de ovos imitam teias e dão a sensação de barco abandonado), existem canhões, proa e popa. Sigam os passos.

Ingredientes:

1 melão grande variedade pele de sapo
15 fatias de presunto
5 paus de espetadas
palitos pequenos
fios de ovos para decorar
1 bocadinho de papel de alumínio para fazer uma bandeira

Preparação:

Pode parecer complicado, mas se seguir os passos chegará a ter este barco na mesa para surpresa dos seus convidados.

1 - Comece por cortar o melão ao meio longitudinalmente, limpe as sementes.
2 - Corte uma pequena tira na zona de contacto com a travessa na metade que será o casco. O objectivo é que essa metade de melão não role. Ao cortar um pouco vai fazer uma base recta que assenta o barco.
3 - Escave as duas metades de melão em bolinhas com um utensílio próprio. Tente fazer o máximo de bolinhas.
4 - Após ter as bolinhas, reserve e com o próprio utensílio raspe o interior do melão para que fique liso, só com a casca. Aproveite o que raspou por exemplo para um batido ou para salada de fruta.
5 - Vamos agora construir as velas do barco. Corte a metade superior do melão na transversal, mais ou menos a 60% e a 40% da medida para que fique com uma vela maior e outra menor.
6 - Na vela maior escave com uma faca afiada uma cruz. Reserve a cruz para a traseira do barco.
7 - Com dois paus de espetadas (por vela) encaixe-os numa ponta na vela e na outra extremidade na metade que serve de casco. Repita o mesmo para segurar a vela mais pequena. Os palitos da segunda vela devem ser mais pequenos (para tal quebre-os na medida que achar conveniente).
8 - Corte as fatias de presunto ao meio para servirem cada uma para duas bolinhas de melão. Enrole-as e segure com um palito.
9- Espete 4 ou 5 bolinhas nas laterais do barco a imitar canhões.
10 - Espete 2 bolinhas na frente do barco e com mais um palito segure a cruz na traseira do barco.
11 - Encha o barco com as bolinhas de melão (sem presunto). Disponha o resto (com presunto) na travessa à volta do barco.
12 - Espalhe alguns fios de ovos à volta do barco e a cair das velas. Finalize recortando uma pequena bandeira em papel de alumínio que colará a um palito e espete no topo da vela maior para imitar uma bandeira.

Uffa... Parece complicado mas vão ver que até se divertem a montar o barco. A maior dificuldade é segurar as velas, para tal basta espetar os palitos bem firmes tanto na vela como no casco.

sexta-feira, 21 de Maio de 2010

Bifes de Frango com Sopa de Cebola e Sumo de Fruta


Estes bifes de frango fazem-se num piscar de olhos. Que tal juntar frango com sopa de cebola e sumo de fruta?

Ingredientes: (para 2 pessoas)

4 bifes de frango
1/2 pacote de sopa de cebola
1 copo de sumo de fruta a gosto (tipo laranja, ananás, manga, maracujá, etc...)

Preparação:

É verdade: não precisa de mais ingredientes. Dissolva a meia embalagem de sopa com o sumo de fruta. Pessoalmente gosto mais de juntar neste prato sumos agridoces tipo maracujá, mas qualquer outro sumo serve. Coloque os bifes de frango numa travessa de ir ao forno e regue-os com a sopa dissolvida no sumo.

Leve ao forno uns 10 a 15 minutos. Tenha atenção que a sopa vai engrossar pelo que é preferível colocar um pouco mais de sumo logo no início da mistura.

Sirva com batatinhas noisettes fritas e uma boa salada a gosto.

quinta-feira, 20 de Maio de 2010

Torta de Cenoura com Canela


Esta é a clássica torta de cenoura com canela. No final decorei com groselhas frescas e lâminas de amêndoa que servem também como marcador das fatias.

Ingredientes:

500 gr. de cenoura
400 gr. de açúcar
4 ovos
4 colheres de sopa de farinha de trigo com fermento
1 laranja

Preparação:

Descasque as cenouras e coza-as com uma pitada de sal. Escorra e passe-as pelo passe-vite ou reduza a puré com a varinha. Junte o açúcar, a raspa e sumo da laranja e os ovos inteiros. Incorpore bem com uma batedeira. Por fim junte a farinha e bata um pouco mais.

Deite este preparado num tabuleiro rectangular forrado com papel vegetal (untado e polvilhado com farinha). Deixe cozer uns 20 minutos em lume médio. Não deve cozer demasiado, é preferível que fique tipo pudim ligeiramente húmida. Teste com um palito.

Deite a torta sobre um pano polvilhado de açúcar. Retire o papel vegetal, polvilhe com uma boa camada de canela e em seguida com a ajuda do pano enrole a torta delicadamente, alisando e dando-lhe a forma com as mãos. Na última volta role-a  directamente para a travessa.

Decore a gosto com uns pauzinhos e canela, com rodelas de laranja, cerejas em conserva, etc... Nesta usei groselhas e amêndoa laminada. Esta foi uma torta levada para um lanche no local de trabalho, para distrairmos um pouco deste pesado ambiente de crise e anúncios de aumentos de impostos :(  :(. Verdade, verdade é que as minhas colegas já me perguntavam à algum tempo "quando é que trazes aquela tua torta de cenoura?"

quarta-feira, 19 de Maio de 2010

Favas Sapatadas (Favas com Poejo)


Para juntar o meu contributo relativamente às receitas de favas, que estiveram em alta nos últimos 15 dias, proponho umas favas "sapatadas". Se fizerem uma busca verão que esta receita está associada a terras algarvias. É ideal para o fim da época das favas, quando já estão mais duras e a casca já não é tão facilmente comestível. Necessitam da ajuda da panela de pressão e, é claro, um raminho de poejo.

Ingredientes:

600 gr. de favas frescas descascadas e sem olhos
1 raminho de poejo
meia dúzia de grãos de pimenta
1 dente de alho
1 fio de azeite
sal

Preparação:

Depois de descascadas coloque as favas numa panela de pressão e cubra-as com água , devem ficar com um a dois dedos de água por cima delas. Junte o alho descascado e cortado ao meio, alguns grãos inteiros de pimenta, o raminho de poejo, um fio de azeite e sal.

Deixe cozer cerca de 10 minutos e retire a pressão. Se as favas não forem mesmo as de fim de época, é provável que cozam mais rápido. Se tiver alguma insegurança quanto ao ponto de cozedura, desligue a panela ao fim de 5-6 minutos. Verifique, e se necessário volte a colocar mais uns minutos. Da próxima vez já o fará intuitivamente.

Importante: as favas não devem abrir, ou seja, a casca na grande maioria delas deve-se manter íntegra. Se tiver tempo, deixe-as repousar uma hora na água de cozedura para ficarem com mais aroma a poejo. Na altura de servir ligue o lume e dê-lhe o aquecimento necessário para irem à mesa.

Como comer estas favas? Se ainda não estiverem duras, conseguirá comê-las com casca (foi o meu caso), se forem mesmo de fim de época coma-as à mão, segurando pela ponta do olho e, com os dentes incisivos faça um pequeno rasgo na ponta oposta. Com dois dedos pressione a fava e o seu conteúdo irá para a sua boca, enquanto a casca fica-lhe entre dedos.

Sugestão final: acho que são óptimas para acompanhar peixe frito. Se estiver completamente privado(a) de fritos, penso que grelhado também combinará bem.

terça-feira, 18 de Maio de 2010

Jardineira de Borrego


O borrego: amado por uns e odiado por outros. Pessoalmente não tenho nada contra o animal. A jardineira é mais uma coisa para carne de vaca mas eu gosto de a fazer com borrego. Fica muito tenra e não exala aquele cheiro que alguns tanto odeiam. Tenho por hábito temperar bem este cozinhado.

Ingredientes: (para 4 a 6 pessoas)

1 kg de carne de borrego (sem ossos) tipo perna
1 pimento verde
3 tomates maduros (ou 1 lata pequena de enlatado)
1 mão cheia de ervas frescas (usei esta mistura que tenho congelada) 
2 colheres de sopa de margarina
2 folhas de louro
pimenta moída na altura
1 colher de sopa de pimentão
3 cravinhos
1 copo de vinho branco
um pouco de vinagre (tipo 3 colheres de sopa)
1/2 copo de água

3 batatas grandes
3 cenouras
1 chávena almoçadeira de ervilhas congeladas
1 chávena almoçadeira de feijão verde cortado

Preparação:

Uso a panela de pressão nas minhas jardineiras. Limpe o borrego e elimine as partes gordas e eventuais ossos. Corte em cubos. Junte na panela de pressão todos os ingredientes: a carne, o pimento cortado em tiras, os tomates descascados e picados, junte uma boa porção de ervas (na falta da mistura use salsa), tempere com o louro, o pimentão vermelho, os cravinhos e a pimenta. Por fim junte o copo de vinho, o vinagre e as duas colheres de sopa da margarina. Tempere com sal e envolva bem com uma colher-de-pau.

Ligue o lume e se verificar que não tem líquido suficiente adicione um pouco de água. A carne deve ficar mergulhada em líquido mas sem exagero. Tapar a panela e esperar até que a pressão saia pelo bico. Reduza o lume para o mínimo e mantenha em cozedura uns 20 a 25 minutos. Desligue e deixe a pressão voltar ao normal.

Abra a panela, verifique os temperos. Rectifique se necessário. Junte mais água quente e volte a ligar o lume (sem pressão). Junte a cenoura cortada em rodelas grossas e o feijão verde. Deixe cozer uns 4 minutos. Adicione depois a batata cortada em cubos médios. Tape (sem usar a pressão) e deixe cozer em lume médio até a batata estar macia mas sem se desfazer, o que levará mais uns 10 minutos.

Deixo mais duas fotos da fase inicial, quando estava a juntar as ervas congeladas e as especiarias.

Esta receita rende para famílias numerosas ou para várias refeições. Há quanto tempo não come uma jardineira? Arrisque esta de borrego.




segunda-feira, 17 de Maio de 2010

Caril Tailandes de Peixe com Arroz Basmati


Para este caril de peixe há uma erva essencial,  "o segredo" do prato - erva príncipe. Um misto de peixes, manga, manjericão e leite de coco envolvem-se em aromas a descobrir. Já não fazia este caril há algum tempo e, agora que o quis voltar a por na minha mesa deparei-me com um grande problema - não encontrava a erva príncipe.

Na adolescência lembro-me perfeitamente de um pé de esta erva plantada no quintal de uma tia, erva que adorava para fazer chá, com a planta fresca. Existem nas secções de dietética e nas ervanárias mas para este prato tem mesmo de ser fresca. O príncipe tem um aroma algo entre o limão e a lúcia-lima, suave. Como o tal pé da erva da minha tia morreu, e como também já não estou perto dela, actualmente só consigo encontrar no hipermercado Continente junto às salsas, coentros e outras ervas embaladas. Mesmo assim nem sempre têm. Andei quase um mês a espreitar umas duas vezes por semana (e com uma chamada de atenção junto de um funcionário), lá voltou a aparecer. Imaginem que só havia uma embalagem! Se alguém a tivesse agarrado antes de mim acho que teria havido "peixeirada" naquele hiper. Bem, mas o peixe é para aqui chamado para outros afins. Vamos à receita.

Ingredientes:

750 gr. de peixe em cubos (usei 500 gr. de salmão + 250 gr. de medalhões de pescada)
l lata grande de leite de coco (usei marca Koala e tem 800 ml.)
6 tiras de erva príncipe
2 raminhos de manjericão
1 manga verde
2 colheres de sopa de pó de caril
pimenta moída na altura
sal
sumo de meio limão

Preparação:
  
Corte o peixe em cubos e tempere uma hora antes com o sumo do meio limão. Alguns dos ingredientes: 


Comece por colocar o leite de coco numa caçarola alta que possa tapar. Ligue o lume e junte as 6 tiras de príncipe cortadas ao meio, ficará com 12 tiras. Envolva e em lume brando deixe a erva libertar o seu perfume por 4 minutos.


Entretanto misture as duas colheres de sopa de pó de caril com um pouco do leite de coco que reservou. Adicione na mistura ao lume e volte a envolver. Em seguida junte os peixes e as folhas do manjericão. Tempere com sal e pimenta moída na altura. Tape e deixe em lume brando uns 4 a 5 minutos.


Descasque a manga (terá de a comprar verde e rija) e corte-a como se estivesse a fazer palitos de batata frita. Se a manga não for verde irá desfazer-se rapidamente na caçarola. Pode fazer os palitos mais pequenos ou cortar em cubos a seu gosto. Adicione e volte a tapar e deixe cozinhar mais 8 a 10 minutos até que a manga comece a ficar translúcida.




 

Desligue o lume, retire as tiras de príncipe e deixe repousar uns minutos. Prepare um arroz basmati para acompanhar, da seguinte forma:

Numa panela com água em abundância, quando levantar fervura junte uma pitada de sal, uma colher de sopa de óleo alimentar e um punhado de arroz por pessoa (não lave o arroz). Deixe cozinhar "al dente". Escorra muito bem a água. O arroz ficará solto e o seu próprio calor terminará a sua cozedura.

Uma opinião pessoal: o sabor a caril fica muito suave devido ao leite de coco, o manjericão que é forte não reina aqui e algo misterioso e que domina este prato - o príncipe - vai tomar conta de todos os ingredientes. A cozinha Tailandesa é bastante condimentada (não necessariamente picante), e esta erva sem dúvida que me trouxe à memória pratos que degustei nesse país há já uns bons anos.

Já agora, viram esta erva à venda em mais algum local?
  
 

sexta-feira, 14 de Maio de 2010

Doce de Morango com Especiarias


Antes que deixe escapar a época dos morangos e aproveitando os preços que agora estão mais acessíveis, fiz a minha compota com pau de canela e flor de anis.

Ingredientes:

1 kg de morangos
800 gr. açúcar
sumo de 1/2 limão
2 paus de canela
4 estrelas de anis

Preparação:

Retire os pés aos morangos e lave-os bem. Coloque-os inteiros numa panela alta. Junte o açúcar, o sumo de limão e as especiarias. Ligue o lume no mínimo e misture um pouco até que tudo se dilua na calda que se forma.

Mantenha a panela destapatada porque vai-se formar espuma. De vez em quando vigie a cozedura, mexa um pouco. Vai demorar aproximadamente uma hora até que o líquido reduza substancialmente. Retire uma colher de compota para um prato e deixe arrefecer. Se verificar que fica consistente no chamado ponto estrada então está pronta. Desligue o lume, retire as especiarias e deixe arrefecer um pouco. Acondicione em pequenos potes de vidro que possa fechar hermeticamente.

Os morangos inteiros acabam por de desfazer embora fiquem alguns meios inteiros. A canela e o anis dão um toque muito aromático e perfumado a esta compota. Experimentem!

quinta-feira, 13 de Maio de 2010

Salada de Alface, Cenoura e Tomate


De uns restos de legumes no frigorífico, aproveitei (antes de se estragarem) para confeccionar uma simples salada à qual juntei mais alguns pormenores.

Ingredientes: (por pessoa)

2 cenouras pequenas
4 folhas de alface
1/2 tomate
8 tomates cherry
4 physalis
4 nozes
uma colher de sobremesa de azeitonas fatiadas
coentros frescos picados
óregãos (secos)
azeite
vinagre balsâmico

Preparação:

Lave bem todos os legumes. Rale a cenoura, corte a alface e a metade do tomate. Disponha os legumes em prato individual ou numa travessa com o aspecto visual que mais lhe agradar. Tempere com os orégãos, os coentros, azeite e o vinagre balsâmico.

Já depois da foto ainda juntei uns cubinhos de queijo curado de ovelha. Para uma salada de restos até me soube muito bem.  Um detalhe: não usei sal, algo que consegui abandonar nas saladas. Só custa no início, depois já nem nos lembramos. É uma questão de treinar o paladar.

quarta-feira, 12 de Maio de 2010

Salada de Fruta (com Mexicano)


Estamos no auge da Primavera e as frutas abundam. Se é adepto da fatia de bolo como eu, pode haver sempre alguém que queira ficar por algo mais leve e universal. Uma salada de fruta fica sempre bem.

A salada não tem grande segredo, junte várias frutas a gosto (frescas e/ou de conserva) e sumo de laranja. O pormenor que quis deixar é o "mexicano" que está a fazer jacuzzi na minha salada. Como fazer o boneco?

1 palito de espetadas e 1 palito pequeno
1 banana
1 rodela de ananás (usei de conserva)
2 quartos de pêra
1 morango
2 sementes de kiwi (para os olhos) e uma lasca do fruto (para o nariz)
1 bocadinho de fio preto

Espete o palito de espetada a meio da banana na transversal. Em cada lado enfie um quarto de pêra (os braços) e em seguida meio morango (as mãos). Coloque a rodela de ananás no topo da banana (o chapéu). Use o palito pequeno para servir de travão à rodela de ananás. Por fim com duas sementinhas de kiwi faça os olhos, uma lasca de kiwi o nariz e uma lasca de morango a boca. Com um fio preto imite um bigode.

Os braços do "mexicano" irão apoiar nos bordos da saladeira. E pronto, só resta saber quem vai comer a banana? Eh, eh, eh,... (cozinha sem tabus)!

terça-feira, 11 de Maio de 2010

Azeitonas Pretas Temperadas com Cenoura e Paprika


Não tenho ideia até que ponto as pessoas conhecem ou não esta forma de temperar azeitonas. Na verdade só há um pormenor relativo a estas da foto que não está igual às originais. Passo a contar.

Como sabem as azeitonas que vemos à venda são essencialmente de três tipos (excluindo as azeitonas recheadas). Temos as britadas (aquelas que levam um golpe e ficam esborrachadas), as retalhadas (levam um golpe de faca) e as simples (a azeitona inteira). Há ainda um quarto tipo mas que nunca vi à venda, são as azeitonas de salmoura. Apenas conheço por via de familiares que as fazem. Enquanto que as três primeiras são preparadas e conservadas em água, sal, ervas e limão estas últimas são preparadas como se fosse um presunto. Coloca-se uma camada de sal, uma camada de azeitonas pretas e assim sucessivamente. Ficam nesta conserva de sal uns 3 meses aproximadamente.

Para serem postas na mesa necessitam de ser bem lavadas em várias águas e mesmo assim ficam salgadinhas. Como o sal tem a propriedade de reter/absorver os líquidos, o aspecto final dessas azeitonas não é o liso da foto, ficam enrugadas e chupadas para dentro, por efeito da redução do líquido.

Podem-se comer assim simples, mas eu recordo-me delas dos meus tempos de infância/adolescência quando ainda se ia às matanças de porco. E lá estavam estas azeitonas temperadas com cenoura e pimentão vermelho (paprika). Eu acho que me dedicava mais a escolher as rodelas de cenoura que a comer as azeitonas propriamente ditas. Confesso que sou apreciador de azeitonas mas conheço fanáticos por elas! 

Enquanto não conseguir obter umas originais (lá para a altura do Natal), fiz o mesmo tempero com as banais azeitonas pretas com caroço.

Ingredientes:

1 frasco de azeitonas pretas de conserva
3 cenouras pequenas
2 dentes de alho
azeite
sumo de limão
1 colher de sopa de pimentão (paprika)
pimenta moída na altura
sal

Preparação:

Descasque as cenouras e corte-as em rodelas de grossura média. Indiquei que as cenouras devem ser pequenas para que as rodelas não fiquem muito grandes, devem ficar de tamanho parecido às azeitonas. Coza-as bem em água com um pouco de sal. Escorra e reserve.

Descasque os alhos e pique-os finamente para um recipiente com as azeitonas. Mistura a colher de sopa bem cheia de paprika com um bocado de azeite e meio limão grande. Misture bem e adicione um pouco de pimenta moída e sal refinado (as azeitonas tem de ficar a saber ligeiramente a salgadas). Junte as cenouras às azeitonas, regue e misture bem com o molho. De preferência faça isto no dia anterior, as cenouras vão absorver mais estes sabores.

segunda-feira, 10 de Maio de 2010

Trouxa de Pasteis de Bacalhau em Massa Folhada


 

Antes de mais, bom início de semana a todos. Com um fim-de-semana como este que passou, chuvoso e frio mais parece que voltamos ao Inverno. No Sábado apeteceu-me fazer uma coisa bem simples mas diferente. Garanto que é mesmo simples, rápido e barato! Como diria a minha irmã aplica-se a regra dos três B's (Bom, Bonito e Barato).

Ingredientes:

1 embalagem de massa folhada (em rolo)
1 embalagem de 12 pastéis de bacalhau congelados
1 pacote pequeno (200 ml.) de molho bechamel
cebolinho q.b.
1 gema de ovo para pincelar


Preparação:

Veja em baixo a sequência das fotos. Comece por dispor a massa folhada numa caçarola de barro ou numa travessa de ir ao forno. Disponha os pastéis de bacalhau meio descongelados de forma a que fiquem bem aconchegados. Salpique com um pouco de cebolinho picado. Em seguida espalhe o bechamel por cima dos pastéis e finalize com mais cebolinho.

Dobre a massa para cima e para o centro para que feche numa espécie de trouxa. Tive de esticar um pouco a massa para conseguir unir o centro. Pincele a massa folhada com uma gema de ovo. Leve ao forno cerca de 40 a 45 minutos na temperatura de 200º. Sirva acompanhado de uma boa salada a seu gosto.

Espero que tenham gostado desta sugestão hiper simples. Se fizerem comentem e deixem a vossa opinião.
  

  

sábado, 8 de Maio de 2010

Sopa de Melão com Gelado


Por vezes se pensarmos nos elementos mais básicos criamos coisas diferentes. Lembrei-me de juntar a fruta ao gelado, coisa banal. O diferente foi que triturei meloa e criei tipo uma "sopa", bem acompanhada de uma bola de gelado. Ora fiz assim (quantidades por taça):

Ingredientes:

1/2 meloa
1 bola de gelado à escolha

Preparação:

Usei uma meloa gália média. Também resulta bem se for com melão verde "pele de sapo", desde que estejam doces. A fruta deve estar bem fria no frigorífico, caso contrário será desagradável saborear. O gelado em fruta quente derrete em três tempos.

Corte a meloa ao meio, retire as sementes, descasque-a e corte aos bocadinhos para um copo fundo. Triture com a varinha mágica ou com o liquidificador. Despeje na taça e logo de seguida coloque uma generosa bola de gelado no centro da "sopa" de melão. Usei gelado de coco. Sirva de imediato e refresque-se nesta mistura de sabores.

Já imaginou que pode fazer o mesmo com outros frutos? O jogo de cores também alicia o paladar. Proximamente conto publicar algo parecido mas com framboesas. Bom fim-de-semana.

sexta-feira, 7 de Maio de 2010

Mistura de Ervas da Época (para congelar)



Aproveite esta época do ano para preparar uma mistura variada de ervas frescas. Congele e tenha disponível durante alguns meses para temperar omeletas, pizzas, quiches, refogados, etc...

Se tiver acesso ao quintal ou à hortinha de uma avó, tia ou vizinha, aproveite o que por lá houver. No meu caso fiz a seguinte mistura:

1 parte de rama de cebola (é tipo um cebolinho gigante)
1 parte de rama do alho
1 parte de orégãos
1 parte de salsa
1 parte de coentros
1/4 parte de hortelã

Lave as ervas, sacuda-as e seque-as o melhor possível (por exemplo com papel absorvente). Pique-as e misture-as bem. Guarde em sacos de congelação. Sempre prontas a consumir. Pode usar outra combinação a seu gosto. Alho francês, louro, tomilho, alecrim são mais alguns exemplos.

quinta-feira, 6 de Maio de 2010

Sopa de Courgette com Ameijoas


Ingredientes:

2 cougettes médias/grandes
1 cebola média
1,5 a 2 lt. de caldo de peixe
Sal

1 kg de ameijoas
3 dentes de alho
Coentros picados

Preparação:

Comece por preparar o caldo de peixe. Aproveite a água de cozedura de uns camarões e junte-lhe por exemplo uma cabeça de peixe. Já não fazia esta sopa à algum tempo. Cozi de propósito uma cabeça de peixe espada preto e uns quantos camarões. Coei a água e reservei para a sopa. Como alternativa use um caldo de peixe.

Abra as ameijoas (usei congeladas) com o azeite, os dentes de alhos às rodelas e uma boa porção de coentros picados. Deixe arrefecer um pouco e retire os miolos. Reserve duas ameijoas com casca por prato.

Coloque as courgettes com casca a cozer no caldo de peixe junto com a cebola. Aproveite todo o líquido das ameijoas (com os alhos e o coentros) e junte à sopa no final da cozedura. Triture bem. Incorpore os miolos das ameijoas e está pronto a servir. Decore cada prato com duas ou três ameijoas inteiras.

Uma ideia para saborear ameijoas ou cougette de forma diferente.

quarta-feira, 5 de Maio de 2010

Caçarola de Mexilhões



Ingredientes:  (para duas pessoas)

1 kg. de mexilhões frescos
1/2 pimento vermelho
1/2 pimento verde
1/2 pimento laranja ou amarelo
1 cebola média
Coentros
1 copo de vinho branco
Sumo de um limão
Azeite
Sal

Preparação:

Lave muito bem os mexilhões com uma escova e reserve. Corte a cebola e os pimentos em tiras grosseiras. Numa caçarola estale a cebola e os pimentos numa boa quantidade de azeite. Adicione os mexilhões. Tempere com uma pitada de sal, regue com o copo de vinho branco e junte uma boa porção de coentros picados. Mexa um pouco para envolver tudo e tape. Deixe cozer 10 minutos em lume médio.

Por fim regue com o sumo de limão e leve a caçarola à mesa.

Não exagere no sal pois os próprios mexilhões libertam líquido salgado. Delicio-me com o molho. Um bom pão é essencial para acompanhar. Experimentem!

terça-feira, 4 de Maio de 2010

Legumes Grelhados


Ingredientes: (para 2 pessoas, uma refeição principal)

1 beringela média
1 cougete média
1 pimento vermelho assado
1 lata pequena de cogumelos
azeite
ervas de Provence (secas)
sal
sumo de limão


Preparação:

Numa frigideira grande anti-aderente, colocar primeiro a cougete e a beringela cortadas às rodelas ou às meias luas. Deixar grelhar sem qualquer condimento. Vá virando regularmente com uma colher-de-pau. A meio do assado incorpore os cogumelos e o pimento assado. Tempere com uma pitada de sal, ervas de Provence e um minuto antes de desligar o lume adicione um bom fio de azeite. Usei um azeite aromatizado com louro e pimentas. Envolva bem e finalize com sumo de limão a gosto.

Pode ainda juntar ou substituir por exemplo tomate, tomate cherry, pickles, cebola ou pimentos de várias cores. Resulta bem com algumas ervas frescas tipo tomilho ou alecrim. 

Não temos necessariamente que comer sempre arroz/batata/massa. Este foi o almoço cá de casa no Sábado, acompanhado no final com uma boa salada de morangos. Uma sugestão muito saudável, fresca, leve e isenta de grandes calorias.

segunda-feira, 3 de Maio de 2010

Floresta Negra de Morangos



Ingredientes:

Para o bolo:

100 gr. de açúcar
60 gr. de farinha de trigo
40 gr. de farinha maisena
8 gemas
4 claras
50 gr. de cacau amargo
1 pacotinho de açúcar baunilhado

Para o recheio:

500 gr. de morangos
2 pacotes de natas para bater (400 ml. no total)
100 gr. de açúcar
4 folhas de gelatina

Preparação:

Comece por forrar um tabuleiro rectangular com papel vegetal. Pré-aqueça o forno a 200º.
Bata as gemas com o açúcar e o pacotinho de açúcar baunilhado com uma vara de arames até obter uma mistura suave e esbranquiçada. Entretanto bata também as claras em castelo firme. Incorpore-as delicadamente na mistura das gemas. Termine envolvendo pouco a pouco as duas farinhas e o cacau misturados, peneirados. Deite a mistura no tabuleiro. Alise com uma espátula para que fique direito.


Baixe o forno para 180º e leve a cozer 10 minutos. Certifique-se com um palito que a massa está cozida. Desenforme de imediato sob um pano de cozinha polvilhado com açúcar. Deixe arrefecer para colocar o recheio. Se quiser pode optar por seguir com uma torta. Eu optei por cortar o bolo ao meio com uma faca afiada e posteriormente cortei o rectângulo em dois. Fiquei com quatro quadrados que foram sobrepostos e recheados com creme de morangos.


Enquanto o bolo arrefece comece por bater as natas que devem estar bem frias. Junte o açúcar e continue a bater até obter um chantilly bem firme. Triture os morangos com uma varinha mágica ou com um esmagador de fruta se preferir que fique com bocadinhos de morango. Demolhe as folhas de gelatina e leve-as 20 segundos ao microondas. Junte aos morangos esmagados. Por fim incorpore-os nas natas delicadamente e aos poucos para não perder o ponto do chantilly.

Recheei três camadas de bolo e cobri a superfície com uma quarta camada. Por fim decorei com morangos laminados. Mantenha no frigorífico e sirva bem fresca.

Esta é uma adaptação da floresta negra original que é feita com cerejas e, antes do creme, as camadas são pinceladas com licor.
Related Posts with Thumbnails