Os mitos à volta da cozinha, apenas me desafiam a entrar num ambiente que sempre gostei. Comer é um prazer, um acto social. Gosto de experimentar novos sabores e novas formas de cozinhar. Recordo os cheiros e sabores da infância, assim como após as minhas viagens venho para casa tentar reproduzir ou adaptar pratos que provei de outras culturas. Ouse e surpreenda os seus convidados ou a si próprio. Cozinhe,... sem tabus!


sexta-feira, 29 de Outubro de 2010

Creme de Couve-Flor e Espargos Verdes



Para hoje uma chávena de um creme espesso de couve-flor e espargos verdes. Como não sou nem pelo 8 nem pelo 80, o creme de couve-flor ou o creme de espargos em vez de separados juntaram-se desta vez.

Ingredientes:

1 cebola pequena
azeite
1 cabeça de couve-flor média
6 espargos verdes
1 litro de caldo de legumes
sal
amêndoa sem pele triturada (opcional) e amêndoa laminada


Preparação:

Pique a cebola e saltei num pouco de azeite. Antes que passe a um refogado junte os espargos cortados em bocados 2 cm. Deixe ficar mais um pouco. Adicione a couve-flor cortada em raminhos e deite um litro de caldo de legumes. Se não tiver use metade de um cubinho de caldo culinário.

Deixe cozer. No final triture muito bem. Deve ficar com a consistência de um creme espesso. Se se distraiu com a quantidade de água use a seguinte técnica para engrossar o creme: misture amêndoa sem pele finamente picada (tipo farinha). Volte a triturar o creme um pouco mais para emulsionar com a amêndoa.

No final decore com umas lâminas de amêndoa ligeiramente tostadas no forno ou numa frigideira anti-aderente. Aprecio este toque crocante na sopa. Apesar de já não usar há algum tempo, este post da Moira fez-me ir vasculhar a dispensa à procura de amêndoas laminadas que felizmente não tinham desaparecido por completo no último bolo.

Bom fim-de-semana e bons cozinhados a todos (aos que preparam e aos que só comem... esses últimos ajudem pelo menos a lavar a loiça!).

quinta-feira, 28 de Outubro de 2010

Flognarde de Medronhos e um Passeio ao Buddha Eden Jardim da Paz







Apanhei-me com a quantidade certa de medronhos maduros para completar esta tarteira. Dei voltas à cabeça para imaginar o que faria com duas mãos cheias de medronhos... e por algumas exclusões de partes pensei que seriam bem empregues numa flognarde. Como diria a Gisela, nome fino! Vale a pena. Se conseguirem medronhos não pensem duas vezes, pensem uma e liguem o forno.

Inspiração veio deste post da Gisela. Não alterei praticamente nada, apenas ligeiramente um pouco mais de açúcar e farinha e não usei amêndoas que não seriam as melhores parceiras dos medronhos.


Ingredientes:

O fundo de uma tarteira de 22 cm preechido com medronhos
70 gr. de açúcar
70 gr. de farinha de trigo
15 gr. de manteiga
1 iogurte natural (sem açúcar)
leite meio gordo até completar 250 ml junto com o iogurte
3 ovos grandes
1 colher de chá de aroma de baunilha


Preparação:

Unte uma tarteira de 22 cm de diâmetro e disponha os medronhos lavados.

Bata os ovos com a vara de arames e junte os 250 ml do iogurte natural mais o resto em leite. Adicione a manteiga derretida (mais ou menos uma colher de sopa) e a colher de chá de aroma de baunilha. Por último incorpore a farinha misturada com o açúcar.

Ligue bem com a vara de arames. Verta esta massa líquida sob um coador grande para garantir que não passam eventuais grumos. Deite com cuidado por cima dos medronhos.

Leve a cozer em forno a 180º durante 45 minutos.

Bom apetite.

----

Agora a história dos medronhos. Apesar de serem raros e se comprados (já vi no El Corte Inglés) são a preço proibitivo, no fim-de-semana passado obtive estes perto do Bombarral num passeio ao jardim do BUDDHA EDEN Jardim da Paz.

Não conhecia. E eu que até sou muito de viajar, só descobri este parque/jardim à muito pouco tempo. Fica numa quinta a mais o menos 2,5 Km a nordeste do Bombarral na região Oeste de Portugal. A entrada é livre e o jardim foi criado "em resposta à destruição dos Budas Gigantes de Bamyan, naquele que foi, um dos maiores actos de barbárie cultural, apagando da memória obras primas. Profundamente chocado com a atitude do Governo Talibã, que destruiu, intencionalmente, monumentos únicos do Património da Humanidade."  Nasce assim o Buddha Eden Jardim da Paz.

Aproveitei o Sábado passado e numa atitude ecológia decidi usar o transporte público. Utilizei o comboio da linha do Oeste desde o centro de Lisboa. Consulte aqui horários. Saí de Lisboa-Sete Rios às 10:37 e cheguei ao Bombarral às 12:06. O percurso é turístico serpenteando as colinas da Malveira e as planícies agricultadas. É pena que a CP (agora REFER) tenha deixado degradar os comboios das linhas secundárias.

Chegado ao Bombarral nada melhor que praticar caminhada. Vinte e cinco a trinta minutos e estarão à porta da Quinta dos Loridos (local de instalação do Buddha Eden), apreciando ao ar livre as pereiras Rocha, macieiras e vinha. Além de budas gigantes existem os guerreiros de terracota em tamanho real. No final à saída existe uma loja de vinhos da região. Deixo algumas fotos.
Site oficial do Buddha Eden (consultem e tem mapa): http://www.buddhaeden.com/
Aproveitem um dia de fim-de-semana diferente. Vi muitos mais estrangeiros em excursões do que Portugueses propriamente ditos, infelizmente. Ficam algumas fotos, existe muito mais para descobrirem por vocês:









quarta-feira, 27 de Outubro de 2010

Lasanha de Salmão e Vegetais



Uma lasanha de salmão com legumes, pode ser uma ideia para aproveitar sobras ou simplesmente saborear o salmão com três vegetais diferentes.


Ingredientes:

10 folhas de lasanha fresca
2 postas de salmão
1 cabeça de brócolos cozida
1 beringela média
200 gr. de cogumelos frescos
Azeite
Sal
Ervas de Provence
6 folhas de manjericão fresco
500 ml de molho bechamel


Preparação:

Coza os brócolos e o salmão em separado. Lasque o salmão e corte os brócolos em pequenos raminhos.

Num pouco de azeite saltei os cogumelos laminados ou em quartos junto com a beringela cortada em cubos e sem casca. No final tempere com sal e ervas de provence.

Fora do lume junte tudo (legumes salteados, brócolos e salmão). Pique as folhas de manjericão e adicione. Rectifique o tempero.

Prepare 500 ml de bechamel ou use já preparado e proceda da seguinte forma: disponha no fundo de um tabuleiro um pouco de bechamel, siga com duas folhas de lasanha (usei uma marca branca que não necessitam de ser cozidas, estão prontas a usar). Cubra com parte dos legumes e salmão. Antes de colocar as próximas duas folhas espalhe mais bechamel por cima. Repita mais três camadas e termine com folhas de lasanha sob as quais dispõe o resto do bechamel.

Leve ao forno cerca de 20 a 25 minutos até dourar a superfície. Esta receita dá para quatro boas porções individuais.

segunda-feira, 25 de Outubro de 2010

Resultados do Desafio Dicas Anti-Crise

Uma vez reunidas todas as sugestões de poupança enviadas pelos participantes, juntei também algumas mais. Essencialmente espero dar o contributo para que todos consigam organizar e começar a pôr em prática boas práticas de poupança e redução de desperdícios. No fundo aprender ou aperfeiçoar o controlo financeiro de cada um de nós.

Este post é longo pelo que aconselho que leia com tempo ou imprima mesmo para que possa tirar as suas notas. À parte do meu próprio contributo com algumas dicas, chegaram a este desafio 13 participações individuais com um total de 68 dicas. Os blogues e participantes no desafio estão no final.

Estas sugestões podem-se aplicar a agregados familiares grandes, a pessoas que vivam sozinhas, a um jovem que “viva” apenas da mesada dos pais, a um trabalhador no activo, um reformado, etc... Os propósitos, as ambições e os condicionalismos de cada um de nós são de uma enorme variedade.

Antes de entrar propriamente no tema, nesta altura da leitura do quarto parágrafo mais de 90% dos leitores estarão agora a pensar coisas como “é impossível”, “não vou conseguir”, “tenho demasiadas despesas”, “isto é para quem ganha muito”, etc, etc….

Imagine que mensalmente teria de poupar/guardar 1% do seu salário? Não diga que tal é impossível. Comece por ai. Agora imagine que a sua capacidade de poupança pode subir para 5%, 10% ou mais do seu salário? Existem duas formas de poupar: ou ganhado mais (o que é mais complicado, a menos que mude de emprego para um salário superior) ou reduzindo as despesas. É neste último ponto que me vou focar.

Existe uma poupança que eu chamo de poupança “oculta”, ou seja, o benefício não é visível no imediato, não aparecem notas de euro na sua carteira com o passar de uma noite. Por exemplo se conseguir gastar menos dinheiro optando por marcas brancas no supermercado, se reduzir os seus consumos de electricidade e se reduzir o número de cigarros que fuma para metade; tem de pensar quanto dinheiro teria de gastar a mais se não tivesse tomado essas medidas de poupança. É certo que se gastou menos significa que poupou. Agora onde está esse dinheiro? O problema da maioria das pessoas está exactamente aí.

Respondendo às quatro questões que coloquei no início do post em que lancei este desafio, muitos de nós reconhecem nos dias de hoje que:
  • O nosso poder de compra e bem-estar é inferior ao do passado ou prevê-se num futuro próximo que essa redução venha a ocorrer.
  • Alguns já praticam acções de poupança e redução de desperdícios, mas a maioria penso que ainda não o faz. Será que cada um de nós se dispõe a começar?
  • A maioria provavelmente não sabe medir com exactidão as suas despesas.
  • E se forem conseguidas poupanças algumas vezes elas são gastas noutros fins e não se sabem bem onde andam essas poupanças.


Para começar é fundamental:

Estar motivado - os resultados não se vêem ao fim de 15 dias. Não desista à primeira, seja perseverante.

Adopte uma atitude positiva - não pense que vai passar fome, não vai deixar de ter actividades de lazer nem vai deixar de ter aquelas férias ou aquele presente que desejaria. Pelo contrário a probabilidade de conseguir essas coisas é maior.

Envolver a família - não adianta um fechar sempre a torneira enquanto lava os dentes e os outros três da casa fazerem o oposto. Seria uma batalha perdida.

Informação é poder - deixe de dizer “eu acho que…” gasto X Euros por mês nisto ou naquilo. Não tire por dedução, habitue-se a ter uma pequena contabilidade pessoal, guarde os talões do supermercado, compare preços. É essencial saber quanto gasta, em quê, quando e com que frequência.

Defina objectivos e não se desvie deles - o seu objectivo pode ser juntar dinheiro para fazer umas férias, juntar algum dinheiro no banco, remodelar a decoração da casa, o que seja. Não mude de planos constantemente, seja realista e não caia na tentação de usar o dinheiro para outra coisa que não a programada.


Comece por absorver esta ideia: Pague-se a si próprio.

Que quer dizer isto do Pague-se a si próprio? A mentalização para a poupança implica na maioria das pessoas/famílias uma inversão das prioridades. Se começar a poupar assim que receber o seu salário irá atribuir às poupanças a maior prioridade nas suas finanças pessoais. A maioria da população usa o seu salário com a seguinte ordem:

1º Contas a pagar
2º Diversão/lazer
3º Poupança

A categoria diversão/lazer é tão ampla e tão apetecível que não é de admirar que antes do final do mês já não sobre nada para poupança. Terá de inverter a ordem para:

1º Poupança
2º Contas a pagar
3º Diversão/lazer

Assim, a suas finanças pessoais terão o enfoque na poupança. A gestão até ao próximo salário é feita em função do remanescente. Caso falte dinheiro, então terá de adiar alguns actos de lazer para o próximo mês.

Como é que você se pode Pagar a si próprio? Em função dos seus objectivos de poupança e em função do valor que conseguir deixar de parte, faça-o de imediato no dia em que recebe o salário ou no dia imediatamente a seguir. Imagine que tem uma factura para pagar como por exemplo da electricidade. Pague-se a si próprio como se de uma conta se tratasse. Coloque esse dinheiro noutra conta bancária ou de uma forma mais arcaica dentro de um envelope. Esqueça-se desse dinheiro, não caia na tentação de lhe tocar e olhe para o resto do seu salário como o seu salário. Se no final do mês ainda conseguir que lhe sobre mais alguns euros junte à poupança. Quando receber o próximo salário repita o processo, comece por pagar-se a si próprio.

Não guarde dinheiro sem destino. Gastá-lo é tão fácil, juntá-lo é que é mais difícil. Defina dois ou três objectivos para poupar no pague-se a si próprio. Por exemplo 25 € para férias e 25 € para uma conta bancária. Parece pouco, mas pense que ao fim de um ano (14 salários) terá 350 € para férias e 350 € numa conta bancária.


Qual a diferença entre estes dois cenários?

1-Efectuar a viagem de 350 € este mês e ficar a pagá-la no cartão de crédito durante 12 meses

2-Juntar os 350 € e viajar daqui a um ano

O binómio responsabilidade-usufruto terminam nos dois cenários exactamente daqui a um ano, porque só finaliza os dois processos nessa altura. No cenário nº 1 irá antecipar o prazer mas além de uma responsabilidade e mais uma conta a pagar terá certamente pesados juros no cartão de crédito. No cenário nº 2 evitará custos de juros, terá tempo para programar a sua viagem e até conseguir pesquisar os melhores preços. O usufruto da viagem será seu na mesma, no entanto tomou as decisões acertadas. A antecipação do prazer não nos fará necessariamente pessoas mais felizes.


Depois desta longa introdução vamos às dicas propriamente ditas. Entre as que foram gentilmente enviadas pelos participantes do desafio, juntamente com algumas de minha autoria (afinal também sou participante do desafio), foram organizadas nos seguintes grupos:

1-Pague-se a si próprio

2-Dicas sobre consumos energéticos

3-Dicas sobre a organização das compras

4-Dicas sobre refeições fora de casa

5- Dicas sobre confecção de refeições em casa

6-Dicas sobre transportes

7-Dicas sobre diversão e lazer

8-Dicas sobre grandes compras

----- ---- ---- ---- ---- ---- ----- ---- ---- ---- ---- ---- ----- ---- ---- ---- ---- ---- -----

1-Pague-se a si próprio


• Assim que receber o seu salário retire imediatamente a parte que consegue poupar, para outra conta bancária à ordem, para um envelope ou aplique em pequenos depósitos a prazo a 30, 60, 90 dias (a maioria dos bancos já os tem no Homebanking).

• Tente fixar um mínimo mensal para o “Pague-se a Si Próprio”.

• Defina claramente dois, três ou mais objectivos de poupança, por exemplo: comprar um electrodoméstico, umas férias no estrangeiro, decorar a casa, poupar para amortizar o empréstimo à habitação, efectuar um depósito a prazo, um PPR (Plano Poupança Reforma), etc… Os seus objectivos é você que os define.

• Não caia na tentação de usar o dinheiro acumulado no “Pague-se a Si Próprio” para outros fins.

• Se aparecer uma emergência (uma avaria do carro, uma doença que implique uns dias de baixa médica, um electrodoméstico avariado, …) pense que um dos seus objectivos poderá chamar-se “Fundo para Emergências”. Mensalmente destine uma pequena quantia para essa rubrica de incógnitas. Se pensar e anotar todos os imprevistos que lhe aconteceram durante um ou dois anos, vai constatar que não são assim tão imprevistos como parecem. Muitos ocorrem mesmo, só que não sabemos exactamente quando. Se prevemos que os imprevistos mais cedo ou mais tarde vão acontecer, porque não começar a ter desde já o “Fundo para Emergências”?

Como medir os resultados?


É essencial conhecer o norte, o sul, o este e o oeste das suas despesas. É preciso olhá-las de cima, de baixo, de lado e na diagonal. Quero com isto dizer que para iniciar um bom plano de finanças pessoais e uma boa organização do seu orçamento e das poupanças só o conseguirá se tiver informação precisa e exacta. Só há uma forma de o conseguir: anotar as despesas e os ganhos.

Comece já no próximo mês no dia 1. Some todo o dinheiro que tem nas contas à ordem e o dinheiro que tem em casa (dentro de um envelope, na carteira), moedas incluídas. Some tudo ao cêntimo. Chame a isso as suas “Disponibilidades” no início do mês. Durante o mês ocorrem “Receitas”, por exemplo o salário ou alguma entrada extra de uma oferta (por exemplo) ou recebeu juros de um depósito a prazo. Por outro lado tem as “Despesas”. O saldo no final do mês irá ser o resultado de:


(Disponibilidades ao dia 1) + (Receitas do mês) – (Despesas do mês) = (Disponibilidades ao dia 31)


Anote todas as despesas. Para tal guarde os talões de supermercado e diariamente anote numa agenda não só essas despesas como todas as outras que vão ocorrendo e que possa não ter recibos. Faça-o depois numa folha de Excel, perca uns minutos todas as semanas para actualizar. O seu saldo na folha de Excel deverá coincidir com o seu saldo real (dinheiro no banco à ordem + notas e moedas em sua posse). Se não coincidir então esqueceu-se de anotar alguma receita ou algumas despesas. Tente ser o mais rigoroso possível.

Não se satisfaça em saber apenas o valor total das despesas, divida-as por rubricas, por exemplo:


 1 - Despesas com a habitação (inclui empréstimo à habitação, consumos energéticos, condomínio)
 2 - Alimentação (pode dividir em alimentação em casa e refeições fora)
 3 - Higiene (pode dividir em higiene pessoal e higiene da casa)
 4 - Transportes (pode dividir em combustível, oficina, seguros, passe social, …)
 5 - Comunicação (telemóveis, telefone fixo, Internet, despesas de correio)
 6 - Farmácia e despesas médicas
 7 - Vestuário e Calçado
 8 - Hobbys e actividades de lazer
 9 - Viagens
10 - Custos com terceiros (ofertas de aniversário, …)
11 - Outras despesas


Guarde o histórico ao longo dos meses, veja como evoluem as despesas, veja onde é possível cortar. Existem rubricas que cresceram anormalmente? Porquê? Existe uma justificação lógica. Faça comparativos mensais com o ano anterior e vá medindo a sua performance. Conseguirá ter uma visão muito real de como ocorrem as suas despesas e como crescem as suas poupanças. Este tipo de gestão mais simplificada ou mais pormenorizada, dependendo da sua vontade de detalhe, será a sua ferramenta base para medir os seus resultados.



2-Dicas sobre consumos energéticos

Electricidade:

• Substitua definitivamente as suas lâmpadas incandescentes por lâmpadas fluorescentes economizadoras. Embora sejam mais caras duram oito vezes mais e consomem significativamente menos.

• Apague as luzes das divisões se ninguém estiver lá.

• Não mantenha televisores acesos só para fazer barulho de fundo.

• Aproveite ao máximo a luz natural e o calor do sol durante o Inverno, abra as suas janelas para ter o máximo de luz.

• No Verão ao final do dia abra portas e janelas para refrescar a casa e fazer alguma corrente de ar. Não se preocupe, as pneumonias apanham-se com vírus, não com ar em movimento! Não corra de imediato para o botão do ar condicionado.

• Desligue o ar condicionado e aquecimentos se for sair de casa ou se não estiver por algum tempo na divisão onde eles estão.

• Não deixe aparelhos ligados no stand-by dos comandos de TV, aparelhos de DVD, consolas de jogos, etc…

• Prefira electrodomésticos eficientes de classe A ou A+. Prefira frigoríficos no frost (sem gelo). Pense se não estará na altura de reformar o seu velhinho frigorífico? Sabia que este electrodoméstico consome cerca de 35% a 40% do consumo total de energia eléctrica de sua casa? Aparelhos no frost evitam que os alimentos fiquem queimados com o gelo e acabarão por ir para o lixo.

• Não abra o frigorífico constantemente. Organize e pense o que vai precisar e retire (ou coloque) tudo de uma só vez. Aberturas repetidas farão com que o motor trabalhe constantemente.

• Será que vale mesmo a pena ter o congelador e o frigorífico na potência máxima? Se tiver um electrodoméstico com mostrador digital de temperaturas, aumentar 3ºC. no congelador e 2ºC. no frigorífico pode-lhe poupar 5% da conta total do mês.

• Retire os alimentos do congelador atempadamente de forma a não precisar de usar microondas para os descongelar.

• Use pilhas recarregáveis para pequenos aparelhos com relógios de parede, rádios, ratos, máquinas fotográficas, etc… Ao fim de cinco ou seis utilizações recuperou o investimento num carregador e num conjunto de quatro ou seis pilhas (também existem de vários tamanhos nas recarregáveis).

• Não utilize programas de máquinas de lavar roupa com elevadas temperaturas. Será que um programa a 40º ou a 30º ou até mesmo a frio não fará o mesmo? Para roupa que não esteja extremamente suja não vale a pena cozinha-la dentro da máquina de lavar.

• Utilize a máquina de lavar roupa na carga máxima, poupa no número de máquinas que faz por mês. Anote quantas máquinas faz do dia 1 ao dia 31. Vai surpreender-se. No mês seguinte certamente que vai tentar rentabilizar e reduzir um pouco.

• Não estará a lavar demasiado a sua roupa? Uma vez ouvi uma colega dizer que colocava as calças de toda a família na máquina de lavar após um dia de utilização! À parte das crianças será que um adulto necessita de colocar a lavar umas calças ao fim de 24 horas? A resposta é seguramente não.

• Informe-se sobre as tarifas e contadores bi-horários, se lhe for efectivamente benéfico mude de tarifário com a companhia de electricidade. Programe as máquinas para as horas mais económicas.


Gás:

• Evite banhos de banheira, prefira duches.

• No Inverno com o frio ficamos mais tempo no duche, mais água e mais gás serão consumidos.

• Não se esqueça de esquentadores ligados.

• Se cozinhar com as tampas nas panelas, atinge-se mais rapidamente a fervura.

• Em fervura reduza a chama do fogão.

• Desligue o forno um pouco antes dos pratos estarem prontos, o calor do mesmo é suficiente para terminar de cozinhar os alimentos.


Água:

• Verifique se tem torneiras a pingar, será hora de reparar. Uma vez que isso me aconteceu deixei um garrafão a aparar, ao fim de 12 horas tinha quase 5 litros de água! Seriam aproximadamente 3500 litros perdidos por ano.

• Coloque um redutor de fluxo nas torneiras sobretudo na cozinha. Ao reduzir o caudal vai poupar centenas de litros.

• Se lavar a louça à mão, nunca o faça com água a correr. Encha o lava louça e mantenha a torneira fechada enquanto ensaboa. Se não gostar desta versão, coloque o detergente num recipiente com um pouco de água e vá molhando o esfregão a cada peça que vai lavando.

• Quando está a cozinhar não encha as panelas com demasiada água. Existem alimentos que não necessitam de ser afogados para cozinharem. Poupa água e gás/electricidade no fogão.

• Na casa de banho coloque dentro do autoclismo uma garrafa de 1,5 litros cheia de água. A cada descarga poupa 1,5 litros.

• Verifique se o autoclismo perde água. Coloque umas gotas de um corante e espere algum tempo. Se vir água corada na sanita é porque existe uma fuga. Repare o autoclismo.

• Feche a torneira enquanto escova os dentes, a ensaboar as mãos ou o corpo no duche.

• Evite banhos de imersão, com um duche gasta muito menos água.

• No Inverno o tempo frio é tentador para ficar mais tempo no banho (mesmo que seja duche), para obter o conforto do calor. Se mantiver esse prazer verá a conta de água e gás disparar.

• Enquanto espera que a água do banho aqueça, encha um balde ou um garrafão. Use essa água para regar plantas e para lavar chão ou outras limpezas. Se a casa de banho for longe da cozinha e se for Inverno pode recuperar até 10 litros até ter a temperatura aceitável para iniciar o duche.

• Quem tem jardins regue de manhã cedo ou ao final do dia para evitar que a água evapore rapidamente.


Como medir os resultados?


Uma forma muito eficaz de medir os resultados das suas acções de poupança energética e de obter informação histórica para efectuar previsões, é o simples anotar as contagens dos contadores de água, gás e electricidade. Passe a fazê-lo rigorosamente no último dia do mês sempre à mesma hora. Programe por exemplo no seu telemóvel um alerta para as 21 horas de todos os dias 30 (ou 31). Anote os Kwh e os metros cúbicos dos contadores da electricidade, gás e água.


No mês seguinte repita o procedimento e faça a diferença da contagem do mês actual com o mês anterior. Obterá assim o consumo exacto do mês. Ao fim de um ano terá o histórico perfeito dos seus consumos. No ano seguinte obviamente irá comparar os consumos de cada mês com o mesmo mês do ano anterior e irá comparar o consumo acumulado até ao mês X deste ano com o acumulado ao mês X do ano anterior.

Esta informação é preciosa porque visualizará mensalmente se as suas acções de poupança resultam em reduções de consumos. Ao invés, se aumentarem então há que procurar a causa. Pode num determinado mês ter consumos superiores mas se no acumulado do ano estiver abaixo do ano anterior então está no bom caminho.

Com esta acção aproveite e dê as contagens às companhias, assim as facturas que aparecerão serão de consumos reais e não estimados. A factura real a pagar será muito próxima dos seus reais consumos. Só o facto de ser conhecedor dos seus consumos energéticos vai fazer com que esteja atento ao tema e vai estimulá-lo a tentar poupar.

Se ainda não tiver histórico tente com as facturas do ano de 2009 reconstituir os valores dos consumos mensais de cada rubrica (água, gás e electricidade) e assim já terá um mínimo de comparativo. Não se esqueça, meça em unidades de consumo (kilowatts hora ou metros cúbicos), se medir os valores das facturas pode não ter um bom comparativo já que as tarifas alteram.

Se não tiver gás canalizado e usar gás de botija, o modo de proceder é simples. Anote o dia em que mudou a botija e veja quantos dias durou até substituir pela próxima. Tente que cada botija dure mais dias. Se dividir o custo da botija em euros pelos dias que durou e depois multiplicar por 30 obterá o custo médio mensal da sua casa em gás.


3-Dicas sobre a organização das compras

• Antes de ir ao supermercado prepare uma lista de compras, evitará compras de artigos não programados.

• Não vá para o supermercado com fome. Acabará por comprar por impulso artigos pouco saudáveis nomeadamente doces ou outros bastante calóricos.

• Programe as idas ao supermercado. Não vá todos os dias, além de perder muito mais tempo e gasolina em deslocações trará sempre mais qualquer coisa, muitas vezes não necessária. Programe uma ou duas vezes por mês as compras de mercearia e semanalmente adquira a fruta, carne e peixe e outros frescos.

• Cinja-se a dois ou três supermercados não muito distantes de sua casa. Não se restrinja apenas a super/hipermercados, pode incluir também uma frutaria, peixaria e talho.

• Na falta de tempo existem compras online nos hipermercados que podem compensar pelo tempo poupado e alguns até oferecem o serviço de transporte.

• Perca algum tempo ou anote mesmo na lista de compras os preços dos artigos, compare entre supermercados e tente sempre obter a compra mais económica. Existem categorias de artigos que são mais baratos nuns supermercados que noutros.

• Esteja atento a promoções e descontos. Aproveite e se compensar compre para stock. Por exemplo detergentes, shampoos, pastas de dentes, papel higiénico, espumas de barbear e desodorizantes se comprados com 50% de desconto pode fazer stock para um ou dois anos sem que os artigos percam qualidade. É um investimento mas com um custo por metade. Pense que durante um ou dois anos não vai gastar dinheiro nesses artigos.

• Opte por marcas brancas, cujo preço é mais económico. Não seja céptico, não as rejeite à partida sem sequer ter experimentado. Existem agradáveis surpresas nestes produtos. Prove e se não gostar não compre. Os produtos de marca branca são produzidos pelas mesmas fábricas dos artigos de marca, pois só elas têm capacidade de fornecer enormes quantidades e com o poder negocial exigido pelas cadeias de hipermercados. Existem produtos em que literalmente só muda a embalagem exterior.

• Compre as frutas e legumes da estação, são mais nutritivos e mais económicos.

• Não compre frutas e legumes em demasia, deterioram-se mais rápido e o pior que pode fazer é colocá-los no lixo sem sequer os ter provado.

• Esteja atento a algumas promoções do tipo “Inclui +50% de produto” ou o “melhor preço é o da embalagem familiar”. Será que precisa mesmo de mais daquele produto? Não estará a comprar por impulso? As embalagens familiares aparentam ser as mais económicas, na maioria das vezes são perfeitas armadilhas. Veja sempre o preço por quilo ou por litro. Quantas vezes já vi mais barato duas embalagens de 500 gr. em vez de levar a de 1 kg.

• Aproveite os cupões e cartões de desconto de alguns hipermercados.

• Tenha sempre pão congelado disponível para o pequeno-almoço em casa.

• Antes de sair do supermercado verifique o recibo da compra, certifique-se que não cobraram artigos por valor superior ao da etiqueta na prateleira. Se tal acontecer reclame ou devolva o produto. Não pense desta forma “Ah! É só um euro,… não vou perder tempo a ir à caixa”.

• Nos produtos de limpeza e higiene experimente também as marcas brancas. Tire conclusões só depois de ter testado.

• Nas compras não essenciais pondere antes de comprar. Questione-se se precisa mesmo daquele artigo? Pergunte-se porque vai comprá-lo?

• Não caia na tentação de comprar tudo e mais alguma coisa a prestações. Evite ao máximo os créditos fáceis. Os juros a pagar são altíssimos e fica aprisionado a prestações durante meses ou anos. Junte dinheiro e compre depois.

• Evite ao máximo as compras com cartão de crédito sobretudo compras corriqueiras e alimentação. Reserve o cartão de crédito para uma necessidade justificada ou para pagamentos no estrangeiro.

• Pagamentos com notas e moedas dão-nos uma melhor percepção do dinheiro a desaparecer.

• Os escudos já nos deixaram há 10 anos, no entanto para ter uma boa percepção do exagero de alguns preços faça a conversão mental de euros para escudos e verá como muda de opinião quanto ao conceito de caro/barato.

• Se tiver familiares que tenham produtos frescos como frutas, hortícolas, azeite, vinho, etc… aproveite ao máximo para encher a sua dispensa. Qual é a mãe ou a avó que não dão ao seu filho ou neto com o maior carinho um fornecimento valioso destes produtos?

Como medir os resultados?


Se anotar sempre as suas despesas e mantiver uma pequena contabilidade pessoal, terá uma boa forma de medida. Ao implementar mudanças verá como estas se repercutem nas suas despesas mensais. Se tiver histórico de gastos de meses anteriores conseguirá perceber melhor os resultados.

Para os grupos de dicas seguintes aplica-se a mesma fórmula de medir resultados. Só com pequenos registos conseguirá perceber as variações dos gastos no antes e no depois.


4-Dicas sobre refeições fora de casa

• Almoce no trabalho. Esta dica é das que mais poupança lhe trará. Reduza ou anule mesmo as idas ao restaurante durante a semana laboral. Prepare refeições leves e simples que possa levar em caixas tipo tupperware. Leve também saladas e fruta. Faça refeições completas como se estivesse em sua casa. A melhor técnica é cozinhar um pouco mais ao jantar do dia anterior e levar no dia seguinte para o trabalho.

• Para almoçar no escritório, se ninguém o faz actualmente no seu local de trabalho, deixe-se de preconceitos e “vergonha” de mostrar a sua comida. Junte-se com colegas e faça um grupo para iniciar o “Almoçar no Escritório”.

• Peça ao seu empregador para comprar um microondas, uma chaleira eléctrica, alguns pratos, copos e talheres. Negocie e faça ver ao patrão que todos irão beneficiar, você poupa no seu orçamento e ao evitar saídas estará a horas no seu posto de trabalho ou até antes da hora, isso vai reflectir-se na sua produtividade.

• Se não conseguir o microondas gratuito junte-se com os seus colegas e comprem entre todos. Obtenha o acordo do seu empregador para obter um espaço para as refeições. Hoje em dia muitas empresas já tem pequenas copas ou áreas onde têm pequenos frigoríficos, máquinas de café, …

• Tome o pequeno almoço em casa. Se não conseguir leve para o trabalho pacotes de leite, cereais, iogurtes, sanduíches, etc… Uns simples 2 a 3 euros diários no pequeno-almoço no café do bairro consomem-lhe até 90 euros por mês. E depois compra-se sempre a caixinha de pastilhas elásticas, as bolas com brinquedos para as crianças, o tabaco,… ou seja , pode poupar mais que esse valor.

• Evite máquinas de venda automática de bolos, sandes, snacks e cafés. Leve os seus lanches de casa.

• Diminua as idas ao restaurante e aproveite efectivamente as vezes que vai para usufruir de momentos de lazer na companhia de amigos ou familiares.


5-Dicas sobre confecção de refeições em casa

• Aproveite as sobras de refeições para uma nova refeição ou reciclando-as para novos e interessantes pratos como quiches, empadão, omeletas, … existem 1001 receitas super criativas, consulte a net. Sobras de queijo podem ser raladas, sobras de cereais podem ser usadas em sobremesas.

• Não cozinhe me demasia, se lhe sobrar comida constantemente é um indício de que não está a ser eficiente.

• Cozinhe de modo a conseguir ter duas refeições, poupa tempo, gás, electricidade e água. Se não quiser comer o mesmo prato à refeição seguinte intercale com outra refeição.

• Existem pratos que podem ser cozinhados em quantidade e congelados para posterior utilização.

• Aproveite a água da cozedura de legumes, peixe ou carne para ter caldos ou bases de sopa.

• Reduza a quantidade de carne e peixe e compense com vegetais, além de mais nutritivo na maioria das vezes ingerimos excessos de proteínas, de calorias e de gorduras. Por exemplo pratos à base de peixe ou carne desfiados rendem bastante (bacalhau à Brás, empadão, saladas de frango desfiado, etc…).

• Faça sopa em grande quantidade e pode congelar porções individuais. Poupa tempo, energia, água e menos lavagens de louça.

• Mesmo em casa prefira pão com queijo ou fiambre em vez de produtos de pastelaria e snacks processados. É mais barato e mais saudável.

• Faça um planeamento antecipado das refeições que vai confeccionar durante a semana.


6-Dicas sobre transportes

• Se puder privilegie o transporte público.

• Para pequenos percursos perto de casa para quê ligar o carro para andar 200 metros? Caminhe, o exercício físico é fundamental em todas as idades.

• Tente abastecer gasolina em postos com promoções, desde que não fique longe da sua área de residência/trabalho.

• Nas suas viagens ao estrangeiro programe e investigue com muitos meses de antecedência. Busque o melhor voo e o melhor preço de hotel na categoria que pretende. Quanto mais cedo comprar uma passagem aérea mais barato lhe ficará. As companhias aéreas tradicionais e as low cost também fazem promoções. Esteja atento e compre no momento certo.


7-Dicas sobre diversão, lazer e outros gastos supérfluos

• Resista à tentação de comprar várias revistas semanais ou jornais diários. As grandes notícias são as mesmas nos vários média. Assista aos Telejornais das várias televisões e de um modo geral estará bem informado.

• Não abuse na compra de roupas, pode ser uma tentação altamente penalizadora para o seu orçamento, pode mesmo arruinar-lhe os ganhos de um ou vários meses. Será que usar uma camisola da marca mais conhecida a(o) fará mais feliz? Quase sempre a etiqueta da marca está no interior da peça, quem passa por si pode não identificar que veste a marca X ou Y. Existem marcas menos conhecidas com design de peças igualmente interessante e a preços muito mais acessíveis.

• As roupas e sapatos para crianças deixam de servir muito rapidamente, se tiver muitas vai constatar que no final da estação algumas peças acabaram por deixar de servir e foram pouco usadas.

• Não sucumba ao forte marketing das televisões por cabo. Pondere ou mude o seu pacote de serviços. Será que consegue ver todas aquelas dezenas de canais?

• Os passeios de fim-de-semana ao centro comercial terminam inevitavelmente numa compra muitas vezes evitável e não essencial. A lista de artigos que se desejam não tem fim, outra coisa é a lista dos artigos essenciais. Experimente os passeios ao ar livre e as caminhadas, descubra os recantos da sua cidade ou faça passeios às localidades vizinhas. Em vez de se fechar tardes e noites inteiras em shoppings pense nas imensas possibilidades de lazer para os seus fins-de-semana.

• Não compre por impulso. Necessita mesmo de ter 10 perfumes diferentes?

• Domine o seu telemóvel, não deixe que ele o domine a si. Resista à tentação de efectuar chamadas para dizer um simples “onde estás?”, “demoras muito?”, “entrei agora no autocarro”, “dentro de 5 minutos estou ai”. Lembre-se que no tempo em que os telemóveis apareceram (não foi assim à tantos anos) vivíamos bem sem eles. Use-o para as situações realmente necessárias.



8-Dicas sobre grandes compras

• Na sua família existe mesmo a necessidade de ter dois ou mais carros? Se um deles estiver praticamente parado para quê alimentar o lucro de seguradoras e todos os impostos inerentes a uma viatura?

• As compras de determinados bens ocultam determinados custos. Pense bem antes de tomar a decisão da compra. Por exemplo um carro novo não é apenas o valor do carro, não se esqueça da gasolina, das portagens, dos seguros, das revisões, das inspecções, avarias e multas. Custos esses que se vão manter anos atrás de anos. Até no final da vida do carro poderá ter que suportar o custo de abate.

• Assim como na compra de uma casa analise ao pormenor os custos de condomínio. E a distância para o seu local de trabalho que custos implicará? Gasolina? Um passe social? Por vezes uma casa um pouco mais cara é preferível se conseguir uma boa compensação em relação ao tempo/custo das deslocações.

• Opte por electrodomésticos eficientes e amigos do ambiente. Um electrodoméstico mais caro no momento da compra pode-lhe poupar a longo prazo muita energia e ter uma vida útil maior.


E estão assim expostas as dicas para que possa controlar melhor as suas finanças pessoais. Dispor-se a começar só depende de si. Entenda isto como um desafio pessoal, não como um fardo. Verá que conseguir resultados dos nossos objectivos é compensador.

Enviaram dicas para este desafio os seguintes blogues / participantes:

Blogue e autor:



Cozinha Sem Tabus  -  Miguel

De Cozinha em Cozinha Passando Pela Minha - Carla

Delícias e Companhia - Manuela
 
Eu Mulher - Ana Kaddja 
 
Meu Report Culinário - Raquel

Sabores Com Cor - Tartaruguinha97

Vai Uma Fatia? - Catarina

(sem blogue) - Cláudia

(sem blogue) - Cristina

(sem blogue) - Margarida Alves

(sem blogue) - Sara Soares


Deixem os vossos comentários e opiniões, se se lembrarem de mais dicas deixem em comentários. Divulguem este post. Obrigado a todos.

sexta-feira, 22 de Outubro de 2010

Coxas de Frango de Cebolada


Já que hoje é 6ª Feira, uma receita fácil. Coxas de frango de cebolada acompanhadas com arroz amarelo e couve lombarda salteada.

Ingredientes: (para 2 pessoas)

4 coxas de frango
1 cebola grande
azeite
2 dentes de alho
1 folha de louro
1/2 copo de vinho branco
sal e pimenta

Acompanhamentos:

2 mãos cheias de arroz agulha
1 colher se chá de pó de açafrão
1/2 couve lombarda
1 dente de alho
azeite e sal


Preparação:

Corte a cebola às meias luas. Deite azeite e os alhos às rodelas. Junte as coxas, tempere com sal, pimenta e uma folha de louro. Deixe refogar tapado. A meio da cozedura adicione 1/2 copo de vinho branco. Apure e sirva com os seguintes acompanhamentos:

Arroz amarelo: coza arroz em água abundante à qual se junta uma colher de chá de pó de açafrão. Depois de cozido deite água fria para cortar a cozedura e escorra num passador de rede.

Couve lombarda salteada: coza a couve picada. Escorra e passe-a por azeite no qual foi aquecido um dente de alho às rodelas.

quinta-feira, 21 de Outubro de 2010

O que é que esta foto tem de "anormal"? Parecem maçãs...



O que é que esta foto tem de "anormal"? Parecem maçãs... variedadede Golden e Starking... acho que não seria muito difícil. Mas onde está o "anormal" nestas maçãs? Foram assadas no forno, receita que é do mais simples possível. Basta retirar os caules e colocar um pouco de açúcar, assar e servir.

O "anormal" na verdade não é anormal, apenas nos habituamos a certos padrões e rejeitamos quase sempre o que sai do padrão. Na verdade estas maçãs são miniaturas, são pequeninas ao ponto de uma caber bem em cima de uma colher de sobremesa.

Vi na frutaria que frequento e lá estavam elas tão pequeninas que até dava vontade de comprar pela graça. Mas lindas como as suas irmãs maiores. Não resisti e ao módico preço de € 0,39 comprei um quilo. Apesar de pequenas são extremamente saborosas, parece que todo o sabor ficou concentrado ali. São portuguesas com certeza e amei-as!

Lição: nem sempres a fruta maior, mais bonita e mais brilhante é a melhor em sabor e em preço. Depois de ter visto uma reportagem na TV em que as maças de uma cadeia de hipermercados eram guardadas em câmaras frigoríficas por 4 a 6 meses fiquei aterrorizado com tal atentado contra a fruta. Uns 15 dias de frigorífico ainda a minha mente tolera, agora 6 meses! Por isso é que algumas não sabem a nada.

No exemplo de hoje o mais barato e o mais pequeno revelou-se quantas vezes melhor... Mais uma sugestão anti-crise. Acompanhei 2 maçãs (uma Golden e uma Starking) com uma bola de gelado. Elas ainda mornas, o gelado fresquinho...



quarta-feira, 20 de Outubro de 2010

Tortellini de Espinafres e Ricotta com Pesto e Canónigos



O nome da receita diz tudo o que contém. Nem sempre há disponibilidade para cozinhar e algumas soluções já preparadas também são válidas. Esta refeição podia-se chamar Menu anti-crise nº 1, no seguimento do desafio que lancei na semana passada e que ainda está aberto até este Sábado (as dicas anti-crise).

1 embalagem de tortellini (tem 2 porções individuais), da cadeia de supermercados P.D. do "Tio Jerónimo"
1 colher de sopa de molho pesto
uns raminhos de canónigos

Coza os tortellini em água a ferver por três minutos. Escorra e junte a colher de pesto. Acompanhe com raminhos de canónigos frescos (também do "Tio Jerónimo").

Vamos a contas: 1 embalagem de tortellini para duas pessoas (1,49) + 1/4 de embalagem de canónigos (0,50) + 1 colher de pesto (0,10). Tudo somado são 2,09, ou seja, aproximadamente 1,05 € por pessoa. Tempo de preparação: 5 minutos e pouca louça para lavar. Que tal se levar estes toretelline numa caixinha e a salada noutra? Junte uma peça de fruta e almoce no trabalho. Seguramente se evitar uma ida ao restaurante vai poupar 8 a 12 Euros. Já pensou nisso?

terça-feira, 19 de Outubro de 2010

Eternos Brownies



Eternos brownies de chocolate... com nozes e cerejas.


Ingredientes: (16 brownies)

100 gr. de chocolate negro
3 ovos inteiros
1/4 de chávena de cacau magro em pó
125 gr. de manteiga sem sal
1/2 chávena de açúcar amarelo
1 chávena de farinha de trigo integral
1/2 chávena de nozes picadas
1/4 chávena de cerejas em conserva
1 colher de chá de aroma de baunilha
1 colher de chá de fermento em pó para bolos


Preparação:

Bata ligeiramente os ovos e reserve. Em banho-maria, com um recipiente de vidro em cima de uma panela com água a ferver, derreta a manteiga com o chocolate partido aos cubos e a 1/2 chávena de açúcar amarelo. Ligue bem até ficar homogéneo.

Retire do lume e em seguida junte o aroma de baunilha, a farinha (misturada com o cacau magro) e os ovos batidos. Mexa de imediato para que os ovos não talhem. Nos brownies usa-se farinha de trigo normal mas quis arriscar com farinha de trigo integral para obter uma consistência mais espessa.

Por último adicione as nozes picadas e as cerejas de conserva cortadas em quartos. Forre uma forma quadrada com papel de alumínio. Se não tiver uma forma quadrada, improvise e leve o papel de alumínio numa forma rectangular até ao ponto de fazer um quadrado. Unte com manteiga ou use o Spray da Espiga. Deite a massa para que fique com 1 a 1,5 cm de altura. Coza em forno a 180º por 20 a 25 minutos. Se não os deixar cozer por completo e se ficarem húmidos no centro (teste com um palito) ficarão melhores.

Desenforme depois de frio. Corte quatro tiras na transversal e repita na longitudinal. Obtém-se assim 16 lindos brownies. Pode decorar com açúcar em pó, com um pouco de chantilly,... ou simples. Resiste?



segunda-feira, 18 de Outubro de 2010

Raia Outonal



O peixe é raia. Não é bem uma caldeirada mas também não é uma feijoada. Parece-me um guisado de Outono com legumes que usamos pouco fora da doçaria. Além do feijão tem batata doce e abóbora. Um excelente molho de tomate, muito caldo para acompanhar e um bom pão completam esta receita.


Ingredientes:

750 gr. de raia arranjada em postas
1 batata doce média
1 abóbora pequena (aprox. 600 gr.)
1 lata pequena de feijão branco
1 lata pequena de tomate em conserva
1 cebola média
1 folha de louro
1 colher de sopa de salsa picada
6 folhas de hortelã
3 dentes de alho
sal, pimenta e azeite


Preparação:

Comece por refogar em azeite a cebola e os dentes de alho finamente picados. Quando estiver translúcida junte a lata de tomate e o seu caldo. Deixe apurar uns minutos. Se necessário junte um pouco de água quente.

Adicione a abóbora cortada em cubos e tape. Coza uns três minutos. Junte em seguida a batata doce também em cubos, a salsa, louro, sal e um pouco de pimenta moída na altura. Adicione cerca de meio litro de água quente. Volte a tapar e deixe cozinhar em lume médio.

Evite mexer demasiado com colheres, faça como nas caldeiradas: abane a caçarola. A meio da cozedura dos legumes junte o feijão branco enlatado e disponha as postas de raia (temperadas com um pouco de sal) à volta. Junte agora as folhas de hortelã. Retifique os temperos e se necessário junte mais água quente. Abafe e deixe cozer e apurar.

Os legumes não devem ficar desfeitos. Deve ficar com molho suficiente como se de uma caldeirada se tratasse.

Quis com este prato dar a conhecer outras formas de comer abóbora e batata doce sem ser em doces nem em sopas. Esta caldeirada-feijoada fica excelente se acompanhada com umas boas tiras de um bom pão fresco tipo alentejano ou Mafra. O molho pede...

domingo, 17 de Outubro de 2010

A Cozinha Sem Tabus agora é membro dos "Melhores Blogues Portugueses"


Foi com muito agrado que fui contactado pelas Fábricas Lusitana, a proprietária das marcas "Branca de Neve" e "Espiga", para incluírem a minha "Cozinha Sem Tabus" junto com outros colegas blogger's no simpático grupo dos "Melhores Blogues Portugueses de Culinária".

São neste momento cerca de 30 blogues com esta distinção. O meu muito obrigado à Fábrica Lusitana!

Conhecedor de vários produtos das duas marcas, sei que vem a caminho da minha morada um kit de oferta com alguns produtos para experimentar. Sem dúvida a minha maior curiosidade é com o spray para untar que já tinha visto em vídeos estrangeiros e já tinha lido em um ou outro blogue português. Agora que que o Spray da Espiga vem a caminho vou ficar certamente um fã número um.

Proximamente darei notícias dos produtos que vão chegar e receitas sairão da minha cozinha, com as marcas Banca de Neve e Espiga.

Actualizado um dia depois:

Chegou o Kit de oferta da Espiga. Deixo uma foto. É composto por:

  • Azeite Clássico Espiga
  • Azeite Virgem Extra Espiga
  • Azeite Seleccionado Espiga
  • Óleo Alimentar Espiga
  • Óleo em Spray para Untar Espiga
  • Revista da Lusitana com receitas, notícias e vales de desconto
Muito obrigado à Lusitana e um abraço à responsável pela gestão deste evento, a simpática Adriana Freitas.



sexta-feira, 15 de Outubro de 2010

Tortilha de Esparguete


Uma tortilha em versão esparguete? Não é mais do que um aproveitamento de sobras.


Ingredientes:

esparguete cozido (usei sobras)
2 ovos
1 lata de atum
1 colher de sopa de orégãos frescos
8 alcaparras
10 rodelas de courgette grelhadas
1/2 colher de salsa picada
sal e pimenta q.b.
1 colher de sobremesa de margarina para fritar


Preparação:

Bata os ovos. Junte os restantes ingredientes e envolva bem. Para obter as courgettes grelhadas, basta colocá-las numa frigideira anti-aderente uns minutos de cada lado até começarem a dourar. Desligue o lume e deite um fio de azeite e ervas aromáticas.

Leve a tortilha a fritar numa frigideira pequena em lume brando e tapada. Vire a tortilha para outra frigideira.

quinta-feira, 14 de Outubro de 2010

Crumble de Maçã com Flores de Lúcia-Lima


Para mim os crumbles são sobremesas bastante versáteis, nas quais podemos sempre dar um toque pessoal. A base da receita mantém-se mas não resisti a adicionar umas flores de lúcia-lima. Esta erva, também conhecida como erva Luísa ou limonete tem um aroma muito intenso e doce, algo alimonado, excelente para chá. Tenho a sorte de ter uma planta destas já com um crescimento acima de um metro de altura, repleta de folhas às quais não resisto esfregar os dedos e deliciar-me com o aroma. Está agora na fase da floração. As flores são minúsculas e não tem mais de 2 mm de comprimento. Retirei dois raminhos de flores e aqui vai a minha versão de crumble de maçã.


Ingredientes: (4 pessoas)

3 maçãs reinetas grandes
75 gr. de manteiga sem sal
1 chávena mal cheia de farinha
1/3 de chávena de açúcar mascavado ou amarelo
4 colheres de sopa de vinho do Porto
1 colher sopa bem cheia de flores de lúcia-lima


Preparação:

Descasque as maçãs e corte-as em pequenos cubos. Junte o vinho do Porto e envolva bem para evitar uma oxidação rápida. Numa recipiente de vidro junte a manteiga à temperatura ambiente com a farinha e o açúcar. Amassa-se com a ponta dos dedos até obter uma massa esfarelada. No final junte as flores de lúcia-lima que são muito aromáticas. Puxe-as uma a uma para se desprenderem dos ramos.

Numa travessa de ir ao forno coloque as maçãs, pode salpicar com um pouco de açúcar amarelo e deite por cima a massa esfarelada. Leve a cozer em forno a 180º cerca de 30 a 40 minutos até ficar dourado e crocante que é a característica que se pretende no crumble.

Sirva morno com uma bola de gelado decorada com uma folha de lúcia-lima. Coloque um raminho no centro da travessa no momento de levar à mesa. Se guardar a sobremesa uma horas e a servir fria ainda vai notar mais o sabor das flores de lúcia-lima.

Ou quem sabe acompanhar este crumble com um chá desta erva?

Em alguns viveiros ou centros de jardinagem encontram-se lúcia-lima em vasinhos por  mais ou menos 1,50 a 2 EUR. Compre uma e mude-a para um vaso maior, mantenha-a numa varanda ou num peitoral de uma janela à luz solar directa e sempre bem regada. Verá que delícia é esta erva.






quarta-feira, 13 de Outubro de 2010

Marmelo com Laços de Courgette


Decidi dar um ar mais chique ao marmelo, envolvi-o numas ripas de courgette, aromas de canela uma calda quase geleia e por fim um toque de crocante com umas amêndoas tostadas. Parece algo elaborado mas na realidade faz-se com facilidade.


Ingredientes: (para 4 pessoas)

3 marmelos
2+2+3 colheres de sopa de açúcar amarelo
1 pau de canela
2 colheres de sopa de margarina sem sal
8 tiras de courgette
amêndoas laminadas para decoração


Preparação:

Use marmelos uniformes e redondos, com o mínimo de danos na pele. O marmelo costuma ser muito picado por alguns insectos, deixando marcas até 1 cm de profundidade. Descasque-os e corte-os em pequenos cubos. Leve a cozer só com a água necessária para os cobrir. Junte o pau de canela e duas colheres de açúcar amarelo. Coza por aproximadamente 8 a 10 minutos em lume médio. Devem ficar bem cozidos mas os cubos inteiros. Num passador coe e reserve o líquido do marmelo.

Com o descascador de cenouras corte uma courtette (com casca) ao comprido. Faça oito tiras finas. Numa frigideira aqueça duas colheres de sopa de manteiga sem sal (mal cheias) com duas colheres de sopas de açúcar amarelo bem cheias. Quando a manteiga e o açúcar estiverem bem ligados, reduza o lume e coloque as tiras de cougette. Agite a frigideira ligeiramente e basta cerca de trinta a quarenta segundos. Vire as tiras com cuidado e repita os mesmo procedimento. Retire de imediato e reserve.

Para montar a sobremesa utilize um aro metálico (se não tiver recorra a um pequeno copo). Encha de marmelo cozido. Acomode bem sem esmagar. Desenforme. Cubra com as tiras de courgette em cruz.

Por fim prepare um molho com três colheres de açúcar amarelo e três colheres do líquido de cozedura do marmelo. Se quiser mais molho duplique as quantidades. Deixe apurar em lume brando uns minutos até engrossar um pouco. Deite por cima das tiras de cougette e deixe escorrer. Finalize com amêndoa laminada que preveamente foi ao forno uns minutos só para dourar um pouco. Parti as amêndoas porque me pareciam desproporcionadas em relação ao tamanho do conjunto.

Sirva com o molho ainda morno. Pode preparar a sobremesa com antecedência e deixar este passo para o momento de servir. Bastam quatro minutos para engrossar uma pequena quantidade de líquido com açúcar.

Bom apetite!



Related Posts with Thumbnails