Os mitos à volta da cozinha, apenas me desafiam a entrar num ambiente que sempre gostei. Comer é um prazer, um acto social. Gosto de experimentar novos sabores e novas formas de cozinhar. Recordo os cheiros e sabores da infância, assim como após as minhas viagens venho para casa tentar reproduzir ou adaptar pratos que provei de outras culturas. Ouse e surpreenda os seus convidados ou a si próprio. Cozinhe,... sem tabus!


segunda-feira, 19 de Dezembro de 2011

Queques de Limão com Glacé





Nesta época de doces, uma simples sugestão para fugir ao muito típico como as filhós, os bolos-reis e outros que tais...

Queques de Limão com Glacé


Ingredientes:

4 ovos
o peso dos ovos em açúcar
o peso dos ovos em farinha
o peso dos ovos em manteiga
1 colher de sobremesa de fermento em pó
3 limões
5 colheres de açúcar em pó
1 clara de ovo


Preparação:

Prepare formas de papel ou formas metálicas, se optar pelas últimas unte-as com manteiga e polvilhe com margarina.

Bata a manteiga amolecida com o açúcar e a raspa de dois limões até não sentir o granulado do açúcar. Acrescente a farinha e o fermento aos poucos. Acrescente os ovos um a um, batendo sempre e por último o sumo dos dois limões.

Coloque a massa nas formas até meio e deixe cozer 15 minutos a 180º. Se preferir uma calda de limão utilize o sumo do terceiro limão com parte do açúcar restante e uma ou duas colheres de água. Aqueça um pouco até dissolver bem. Verta um pouco sob cada queque ainda quente e previamente picados. Ou em alternativa se preferir um glacé de limão, depois de frios junte o açúcar em pó com o sumo de um limão, mexa bem até obter uma pasta homogénea nem muito grossa nem muito líquida. Distribua por cima dos queques (em frio), decore com bolinhas prateadas e deixe secar à temperatura ambiente. 

domingo, 6 de Novembro de 2011

Bolo de Amêndoa com Alfazema









Bolo de amêndoa e alfazema, decorado com pétalas de violetas cristalizadas. Espero que gostem.


Ingredientes:

400 gr de amêndoa com pele
8 ovos
300 gr de açúcar
4 colheres de sopa de farinha de trigo
3 colheres de sobremesa de flores de alfazema
1 cálice de vinho do Porto
2 colheres de chá de fermento em pó


Preparação:

Triture a amêndoa na picadora juntamente com a alfazema e reserve. Bata as gemas com o açúcar até obter um creme fofo e esbranquiçado. Em seguida bata as claras em castelo.

Misture a farinha e o fermento na amêndoa ralada. 

Envolva as claras na massa e por fim junte aos poucos a amêndoa e o cálice de Porto.

Coza a 180º em forma sem buraco, untada e polvilhada com farinha. O tempo de cozedura é de aproximadamente 25 minutos.

Depois de frio decore com pétalas de violeta cristalizadas.

Notas: a alfazema adquire-se em casas de especiarias, ervanárias, áreas gourmet. Pode ver aqui as fotos da alfazema seca numa outra receita. As violetas cristalizadas encontram-se em zonas gourmet, é um produto originário de França da zona de Toulouse.


terça-feira, 30 de Agosto de 2011

As Festas do Povo de Campo Maior 2011

Hoje a receita é lazer, um passeio a Campo Maior no Alentejo.

Decorrem as Festas do Povo até dia 4 de Setembro. Aproveite e passe um dia em cheio, vá para fora cá dentro.

Era algo que sempre desejei visitar, são 104 ruas decoradas com 1001 tipos de flores de papel. Aproveite! Eu adorei.





















domingo, 21 de Agosto de 2011

Bruschetta de Farinheira e Figo



Bruschetta de Farinheira e Figo


Ingredientes (por pessoa):

1 fatia de pão tipo Mafra
1 rodela de farinheira
1 fio de azeite
3 rodelas de figo maduro
3 raminhos de agrião ou rúcula


Preparação:

Torre as fatias de pão. Coloque as rodelas de farinheira uns segundos no micro-ondas para amolecerem. Passe um fio de azeite pelas torradas e barre com a farinheira. Disponha as rodelas de figo. Leve ao forno um minuto apenas para aquecer e amolecer a farinheira.

Sirva como entrada decorada com uns raminhos verdes (usei agrião, mas rúcula também fica bem).




terça-feira, 9 de Agosto de 2011

Doce de Beringela Com Balsâmico



Hoje ousei num doce menos conhecido. De volta às beringelas, perfumei-as com o agri do vinagre balsâmico, com o perfume da canela e do cravinho. Não é o mesmo que um doce de morango nem de tomate. Mas, por vezes precisamos de ultrapassar a nossa própria linha imaginária nem que seja para ver o que está do lado de lá...

Doce de Beringela com Balsâmico


Ingredientes:

750 gr de beringelas descascadas e limpas de sementes
600 gr de açúcar
1 pau de canela
4 cravinhos
3 colheres de sopa de vinagre balsâmico


Preparação:

Descasque três beringelas médio-grandes e corte-as ao comprido em quatro. Retire a parte central com as sementes. Aproveite o máximo de polpa e corte-a aos cubos. Pique cada cubo com um garfo.

Mergulhe em água fria os cubos de beringela por uma hora no mínimo, com o cuidado de mudar a água uma a duas vezes. Assim o travo amargo liberta-se na água. Escorra bem e pese 750 gr.

Adicione as 600 gr de açúcar, as especiarias e leve a lume brando aproximadamente cinquenta minutos a uma hora. A meio da cozedura junte as três colheres de sopa de balsâmico. No final retire as especiarias e triture. Verta para fracos esterilizados e feche bem.





terça-feira, 2 de Agosto de 2011

Beringelas Panadas



Embora os fritos não sejam recomendados, uma vez não é vez. Uma entrada ou um acompanhamento, como preferir.


Ingredientes:

1 beringela
umas gotas de limão
sal refinado
1 ovo
pão ralado


Preparação:

Corte as beringelas às rodelas, salpique com umas gotas de sumo de limão e tempere com um pouco de sal. Passe por ovo e depois por pão ralado. Frite em óleo sem estar demasiado quente.

Deixe repousar sob papel absorvente. Sirva ainda mornas e acompanhe com raminhos de agrião e preparado cremoso de queijo fresco com azeitonas.



terça-feira, 26 de Julho de 2011

Duo de Amêndoa e Pinhão



Um bolo para perfeitos gulosos. Amêndoa, pinhão e um ligeiro toque da farinha de alfarroba. A tudo isto uma calda de açúcar para o tornar bem húmido. Servi fresco cortado aos cubos e decorado com metades de cereja e pinhões/amêndoas laminadas.

Ingredientes:

6 ovos
275 gr. de açúcar mascavado (ou açúcar amarelo)
100 gr. de pinhões
150 gr. de amêndoa com casca
2 colheres de sopa de farinha de alfarroba bem cheias
5 colheres de sopa (cheias) de farinha de trigo
100 ml. de óleo alimentar
100 ml. de leite
1 colher de sobremesa de fermento

Para a calda:

300 gr. de açúcar branco
250 ml. de água
3 estrelas de anis


Preparação:

Triture (não em demasia para se sentirem uns bocadinhos) a amêndoa e o pinhão em separado. Reserve em dois recipientes. No pinhão junte a farinha de alfarroba e duas colheres de farinha de trigo. Na amêndoa ralada junte três colheres de farinha. Distribua metade do fermento nas duas porções. Reserve.

Bata o açúcar com as gemas. Adicione o óleo, bata mais um pouco e continue com o leite. Entretanto bata também as claras. Divida a massa em duas. Numa junte a mistura do pinhão e alfarroba e na outra a amêndoa. Divida as claras e duas partes de misture delicadamente em cada uma delas.

Forre um tabuleiro rectangular com papel vegetal e unte com manteiga ou spray. Deite as massas alternadamente ou uma e depois a outra por cima em fios. O objectivo é que se misturem ligeiramente como se de um bolo mármore se tratasse. Leve a cozer a 180º por 35 a 40 minutos.

A meio da cozedura do bolo inicie a calda de açúcar. Leve a lume médio a água e o açúcar com as estrelas de anis. Deixe reduzir até fazer uma calda, nem demasiado líquida nem grossa, ao arrefecer o açúcar fica sempre mais rijo.

Retire o bolo do forno e com a calda ainda morna espalhe por cima do bolo a toda a área do tabuleiro. Deixe repousar e arrefecer. Posteriormente corte em cubos que sirvam de porções, pode decorar com cerejas, pinhões e/ou amêndoas laminadas. Uma outra ideia é montar os cubos numa travessa em forma de pirâmide, cada um individualmente decorado.



As massas em separado (antes das claras) e depois no tabuleiro:






segunda-feira, 11 de Abril de 2011

Ainda sobre tâmaras, salteado de legumes com mozarella e t...



Hoje estou bastante lentificado e sem energia. Este ano a história dos pólens e alergias atacou-me mais cedo. O corpo está cansado, uma tensão enorme nos músculos do pescoço,... uma pontinha de febre e... os espirros, comichão nos olhos e pingo no nariz só costumam vir lá para meio de Maio quando umas árvores com umas lindas flores amarelas perto de minha casa estiverem na sua pujança máxima.

Nestes dias nem consigo pensar em ir para a cozinha, até o burulho dos tachos e panelas me incomoda. Mas... como temos de nos alimentar lá optei por uma solução rápida.


Ingredientes:

1 embalagem de mistura congelada de legumes variados (400 gr)
6 tiras de delícias do mar
1 queijo mozarella fresco
10 tâmaras sem caroço
azeite
sal


Preparação:

Comece por saltear os legumes e azeite (duas colheres de sopa). Adicione cinco tâmaras cortadas em bocados. Uns minutos antes de terminar coloque as delícias cortadas em bocados grandes.

Não se esqueça de temperar com uma pitada de sal e alguma outra especiaria do seu gosto (no meu caso usei uma mistura de especiarias de Marrocos, semelhante a paprika mas com mais alguns componentes).

Cortei o queijo mozarella em rodelas e dispus sob os legumes. Terminei com o resto das tâmaras.


quarta-feira, 6 de Abril de 2011

Cheesecake de Lima e Oreo



E o que é que se faz numa situação destas? Ao almoço junto com colegas de trabalho, falamos disto e daquilo, da crise, da nossas viagens, de comidas, de fins-de-semana, de trabalho (não devíamos, é hora de almoço!), alguns folheiam revistas... enfim até chegarmos à parte do café já demos volta a meio mundo.

E quando a minha colega M. me diz assim (muito esfuziante), "olha ... olha... esta receita, deve ser óptima... mais logo já te faço uma cópia". Silêncio. Mas o recado foi capturado que é como quem diz: "quando é que nos trazes um docinho assim?"

Como bom rapaz, não poderia deixar de satisfazer um desejo a uma rapariga. Fiz a receita e levei para a sobremesa do almoço de Segunda-Feira.


Ingredientes:

2 pacotes de bolachas Oreo (usei a correspondente marca branca)
2 colheres de sopa de manteiga (usei 3)
2 pacotes de queijo Philadelphia (usei o correspondente de marca branca)
2 pacotes de natas (200 ml x 2)
1 lata de leite condensado
5 folhas de gelatina (usei 7)
sumo e raspa de 5 limas
confetti para decorar (opcional)


Preparação:

Depois de retirar o recheio das bolachas com uma faca, esmague-as com um almofariz até ficarem em migalhas finas. Junte a manteiga derretida e misture bem. Forre o fundo de uma forma com aro, calque bem e leve ao forno 10 minutos a 180º. Retire e deixe arrefecer.

Entretanto coloque as folhas de gelatina a demolhar num pouco de água. Bata as natas bem firmes. Escorra a gelatina e leve uns segundos ao microondas para derreter. Deixe arrefecer um pouco e junte às natas, bata um pouco mais.

Num outro recipiente bata o leite condensado com o queijo. Junte os dois preparados. Por fim adicione o sumo e a raspa das limas. Deite na forma arrefecida e leve ao frio. Antes de servir decore com algumas raspas de lima (não esqueça de reservar uma colher de chá) e se quiser junte confetti a gosto.

Não tenho a foto da base negra das bolachas. Para não chegar ao local de trabalho com um cheescake despedaçado levei-o na forma. Mas acho que não é difícil de imaginar, nem o aspecto visual nem o sabor.

Fonte: Revista Time Out (23 Fev a 1 Mar 2011), pág. 92. 


segunda-feira, 4 de Abril de 2011

Tarte de Coco e Tâmaras



De volta e com tâmaras.

Após uma paragem não programadas na "Cozinha Sem Tabus", estou a regressar e a tentar retomar o ritmos das receitas. Entretanto de uma viagem a Marrakech no mês passado, de tantas coisas saborosas daquelas paragens, vieram comigo umas tâmaras fenomenais. Entre algumas utilizações deixo-vos hoje a tarte de coco e tâmaras.


Ingredientes:

1 base de massa quebrada
3 ovos
1 chávena de açúcar
1 chávena de leite de coco
1,5 chávena de coco ralado
1,5 chávena de farinha de trigo
1 colher de chá de fermento em pó
tâmaras descaroçadas q.b.


Preparação:

Bata as gemas com o açúcar até obter uma massa fofa e esbranquiçada. Junte o leite de coco e continue a bater. Adicione o coco ralado, a farinha e o fermento misturados. Reduza a velocidade da batedeira e misture mais um pouco. Por fim adicione delicadamente as claras em castelo.

Verta sob uma tarteira forrada com massa quebrada. Leve a cozer a forno a 180º por aproximadamente 25 a 30 minutos. A meio da cozedura disponha metades de tâmaras espalhadas pela superfície. Se colocar de início elas poderão desaparecer e ser "engolidas" pela massa.

Espero que gostem.

Logo que retome as rotinas tentarei passar pelos vossos blogues e deixar comentários mas sobretudo ver as coisas boas que se estão a fazer e que não me tenho actualizado.









quarta-feira, 23 de Fevereiro de 2011

Pêras no Forno com Especiarias



Ingredientes:

4 pêras Rocha
1 colher de sopa de açúcar mascavado
1/2 colher de café de cravinho em pó
1 colher de sopa de erva doce em pó
50 gr. de miolo de noz


Preparação:

Aqueça o forno a 180º. Misture o açúcar e as especiarias. Descasque as pêras e corte em gomos finos. Passe-os pela mistura de açúcar. Disponha num pirex e distribua por cimas as nozes grosseiramente picadas. Tape com folha de alumínio e leva a cozer 20 minutos na mesma temperatura (180º). Sirva ainda morno e leve o tabuleiro à mesa.

Fonte: folheto de receitas do Pingo Doce.

segunda-feira, 21 de Fevereiro de 2011

Bolinhos de Coco Especiais - Cinco Ingredientes, Uma Receita





Podia-lhes ter chamado de cookies, talvez...
Podia-lhes ter chamado de choco-cocos, talvez...
Acho que me vou ficar pelos "Bolinhos de Coco, Chocolate e Gengibre".

Foram criados propositadamente para o aniversário do blogue "Cinco Quartos de Laranja". A sua autora - a Laranjinha - desafiou-nos a publicar uma receita com cinco ingredientes apenas. Decidi-me por uma coisa rápida, simples de preparar mas ao mesmo tempo que fosse saborosa e bonita.

Parabéns ao blogue "Cinco Quartos de Laranja", já no seu 5º aniversário. As receitas e a histórias que lá se passam encantam a blogoesfera culinária. Não deixem de passar por lá!

Bolinhos de Coco Especiais (Bolinhos de Coco, Chocolate e Gengibre):


Ingredientes: (só 5 eram permitidos)

200 gr. de coco ralado
75 gr. de chocolate granulado
4 colheres de sopa bem cheias de leite condensado
gengibre fresco (aproximadamente o tamanho de um polegar)
3 quadrados de chocolate branco


Preparação:

Misture o coco e o chocolate granulado. Descasque o gengibre e rale, adicione e mexa bem com 4 colheres de sopa de leite condensado (é praticamente meia lata pequena).

Deite o leite condensado com o gengibre por cima do coco. Com uma colher envolva bem até que todo o coco esteja bem humedecido.

Molde bolinhas com as palmas das mãos e no final achate-as para lhes dar a forma de um cookie. Num tabuleiro forrado com papel vegetal leve os bolinhos a cozer a 180º por aproximadamente 15 minutos. Assim que a base começar a dourar retire de imediato. Não se pretendem demasiado cozidos.

Deixe arrefecer. Entretanto faça um pequeno cone em papel para improvisar um mini saco de pasteleiro. Derreta chocolate branco em banho-maria e desenhe por cima dos bolinhos formas geométricas: riscas, círculos,... Depois do chocolate ter solidificado pode guardar estes bolinhos numa caixa bem fechada.

Espero que a Laranjinha goste. Um beijinho para ela.

Miguel


sexta-feira, 11 de Fevereiro de 2011

Lombos de Pescada ao Caril e Aipo



Volta e meia regresso às receitas de caril. Hoje são uns lombos de pescada em molho de natas e caril. No final aromatizados com a rama do aipo.


Ingredientes:

1 emb. lombos de pescada (4 lombos)
1 limão
sal
pimenta
1 colher de chá bem cheia de pó de caril
150 ml de natas
100 ml de leite
rama de aipo q.b.


Preparação:

Tempere umas horas antes os lombos congelados com sumo de limão, um pouco de pimenta e sal. Deixe-os descongelar assim.

Dissolva bem o caril no leite e junte as natas. Leve ao lume até aquecer. Coloque os lombos e um pouco do líquido da marinada. Coza-os em lume médio,vire-os e quando o molho reduzir e começar a engrossar junte a rama do aipo. Apure mais 3 a 4 minutos. Sirva de imediato com arroz branco solto.

quarta-feira, 9 de Fevereiro de 2011

Por um Fio... Doce de Abóbora Gila e Courgette



A gila com os seus fios faz-me lembrar o equilíbrio, como aqueles artistas de circo que passam numa corda apenas com o apoio de uma vara para fazer de contra peso. Aqui na receita o equilíbrio refere-se à nossa capacidade de não abusar de açúcares. Como utilizo a gila em várias preparações de doçaria, decidi experimentar esta mistura de dois doces por si só excelentes.

O meu bolo de alfarroba amêndoa e gila leva uma boa quantidade,... já tenho a dispensa recheada. Pode-se usar numas tarteletes recheadas com este doce ou nuns lacinhos de massa filó. E que tal levar um frasco para o escritório (se for o seu caso), pode fazer os seus lanches a meio da manhã/tarde com umas tostas, até quem sabe um iogurte natural, um pouco de muesli e uma colher de chá deste doce.


Ingredientes:

1,5 kg de abóbora gila (descascada e limpa de sementes)
0,5 kg de courgette descascada
1,5 kg de açúcar


Preparação:

Corte a abóbora gila em fatias, como se estivesse a cortar melão. Retire a casca e todas as sementes que encontrar. Corte depois a fatia em pequenas tiras aproveitando a disposição dos fios da própria abóbora. Descasque as cougettes (aprox. duas grandes) e corte em pequenos bocados . Junte o açúcar e deixe cozer
em lume médio/brando aproximadamente 1 hora e 30 minutos.

Irá formar-se bastante líquido. Coza destapado para ajudar à evaporação. Mexa de vez em quando e tenha o cuidado de na parte final não deixar pegar no fundo o que queimará o doce. Quando atingir a consistência de compota (retire uma colher para um prato, deixe arrefecer um pouco e ao inclinar o prato se não escorrer de imediato é porque já atingiu o ponto). Guarde em frascos bem fechados. 


terça-feira, 8 de Fevereiro de 2011

Creme de Couve-Flor e Alho Francês



Uma sopa reconfortante ainda para estes dias frios.


Ingredientes:

1 couve-flor média
½ talo de alho francês
3 batatas médias
1 cebola pequena
1 talo de aipo
3 colheres de sopa de azeite
caldo de legumes
sal
pimenta


Preparação:

Passe a cebola pelo azeite em lume médio. Junte os legumes cortados e lavados. Adicione caldo de legumes. Se não tiver junte um caldo culinário na água que adicionar. Deixe cozer.

Triture, deve ficar com a consistência de um creme. Corte o talo do aipo em pequenas tiras, saltei por dois minutos num pouco de azeite. Sirva a sopa e disponha por cima o aipo, umas tiras de alho francês fresco e um pouco de pimenta moída na altura.

E pronto... como se diz às crianças, meninos a sopa está na mesa.

segunda-feira, 7 de Fevereiro de 2011

Compota de Cebola Roxa



Depois de ter visto por aqui pelos blogues culinários, experimentei também esta compota de cebola roxa. Uma das autoras recomenda a utilização para servir com queijo, com carne assada, eu talvez vá usar em saladas porque no aspecto e paladar final faz-me lembrar um pouco o creme de balsâmico.

A primeira receita que vi foi no "As Minhas Receitas", depois na "Tangeriana Aderente" e finalmente diz-se que à terceira é de vez, então no "De Cozinha em Cozinha Passando Pela Minha" foi o clique para me levar ao fogão. Utilizei um pouco a combinação de ingredientes dos três, com ligeiras alterações.


Ingredientes:

850 gr. de cebola roxa
4 colheres de sopa de azeite
2 folhas de louro
1 raminho de tomilho
1 pau de canela
350 gr. de açúcar
125 ml de vinagre balsâmico
125 ml de vinho tinto


Preparação:

Descasque e corte as cebolas em fatias finas  (meias luas). No azeite leve-as a lume brando junto com o louro, o tomilho e o pau-de-canela. Deixe cozinhar bem até a cebola reduzir e o líquido que se forma evaporar (aproximadamente 20 minutos).

Adicione o açúcar, o vinho e o balsâmico. Envolva bem e deixe caramelizar em lume brando mexendo de vez em quando até reduzir e atingir a consistência de uma compota (mais 30 a 40 minutos). Retire o louro, o raminho de tomilho e o pau-de-canela. Pode guardar assim ou, na minha opção, triturei para obter uma consistência homogénea. Acondicione em frascos que fechem hermeticamente.

A Colher-de-Pau do "As Minhas Receitas" dizia que lhe recomendaram guardar pelo menos um mês antes de consumir. Obtive um frasco médio, um pequeno e a tacinha da foto. O frasco grande ficará para testar se passado um mês o sabor enriquece.

Sabe um pouco a cebola, tem o travo do vinagre balsâmico e ao mesmo tempo é doce! Algo diferente, recomendo que experimentem.  

sexta-feira, 4 de Fevereiro de 2011

Croutons Caseiros



Vi estes croutons sugeridos pelo blog "Canela Moída" e não resisti a experimentar. De facto como disse a "Ameixa Seca" (autora do blogue), não vale a pena gastar mais dinheiro em croutons de supermercado. Estes ficam com os sabores e aromas que quiser, pode-se aproveitar "pão velho" e guardam-se para mais tarde usar.


Ingredientes:

Pão fatiado (usei um pão mais consistente tipo pão de Mafra)
Azeite
3 dentes de alho
4 colheres de azeite
sal / flor de sal
2 colheres de sopa de óregão secos
1 colher de chá de pimentão (paprika)


Preparação:

Cortei o pão em cubinhos do tamanho habitual dos croutons. Esmaguei os dentes de alho no almofariz. Com uma colher misturei azeite, os óregãos e o pimentão e uma pitada de sal. Num recipiente de vidro deitei os cubos de pão na mistura. Envolvi bem várias vezes até o azeite e as ervas serem bem absovidos pelo pão.

Num tabuleiro forrado com papel vegetal espalhe os croutons. Leve a forno pré-aquecido a 180º. Deixe dourar por 15 a 20 minutos. Teste até que estejam bem estaladiços. Deixe arrefecer e guarde em caixa fechada.

Disponíveis, saborosos e aromáticos para dar aquele toque nas saladas, na sopa e nem que seja só para decorar um prato. As misturas de ervas e especiarias podem ser outras a gosto, não usei manteiga apenas azeite. Experimentem também os croutons da "Canela Moída" aqui.

quinta-feira, 3 de Fevereiro de 2011

Bifes de Peru com Puré Vermelho




Na cozinha a cor por vezes sobrepõe-se a tudo. As cores fortes apelam aos nossos sentidos e transformam-se em experiência gustativa. Salivamos, imaginamos daí a segundos como será a sensação do ácido, do doce, do amargo, ... é um dos nossos cinco sentidos - o paladar - para o qual a visão também se associa. Como seria comer este prato de olhos vendados?

Bifes de peru grelhados com puré de batata e beterraba.


Ingredientes:

Bifes de peru
Sal
Sumo de limão
5 batatas
1 beterraba
1 colher de sobremesa de manteiga
1,5 a 2 dl de leite
Noz moscada


Preparação:

Coza previamente algumas beterrabas (pode aproveitar e guardar para saladas). Em alternativa use já cozidas e embaladas a vácuo. Descasque as batatas e coza-as em água temperada com sal. Descasque também a beterraba depois de cozida.

No passe-vite junte as batatas escorridas e a beterraba cortada aos cubos. Passe bem na medida mais estreita do aparelho. Num tacho junte a manteiga, o leite e tempere com noz moscada. Mexa alguns minutos sempre sem parar até engrossar. Se necessário rectifique o tempero de sal e a consistência com mais leite.

Grelhe os bifes de peru. Sirva acompanhados do puré e de salada verde a gosto (usei canónigos).


quarta-feira, 2 de Fevereiro de 2011

Cookies de Muesli



Adoro bolachas ou biscoitos que demorem a ser comidos, que tem de ser mastigados, saboreados até à última trincadela. Utilizei várias quantidades que li daqui e dali (sobretudo em sítios estrangeiros) e, apesar de terem ficado um pouco doces e talvez um pouco cozidos acima do ponto, estão saborosos na mesma. Hoje ao chegar a casa foi a primeira coisa que fiz: atirar-me a eles antes do jantar.




Ingredientes:

250 gr. de muesli de compra (previamente torrado, faça-o em casa)
50 gr. de açúcar branco
50 gr. de açúcar mascavado
100 gr. de manteiga amolecida
1/2 colher de chá de fermento para bolos
1 ovo
110 gr. de farinha integral
50 gr. de passas
1 colher de sopa de mel


Preparação:

Comece por torrar o muesli num tabuleiro de forno a 180º por 20 minutos. Mexa e envolva a cada 5 minutos. Se no final quiser os cookies com passas estaladiças e moles, torre também as passas da mistura de muesli. Se preferir retire todas as passas da mistura e torre só os cereais. Eu adicionei algumas nozes ao muesli já que não era muito rico em frutos secos. Deixe arrefecer o muesli torrado.

Bata a manteiga amolecida com o açúcar até obter um creme fofo. Junte o ovo inteiro e incorpore bem. Misture o muesli torrado com a farinha e o fermento. Junte à massa e adicione mais 50 gr. de sultanas. Envolva com uma colher-de-pau e por fim espalhe uma colher de sopa de mel. Volte a mexer.

Forre dois tabuleiros com papel vegetal. Pré-aqueça o forno a 180º. Molhe um dedo em óleo e esfregue nas palmas das mãos. Com uma colher retire um porção de massa e tente achatar entre as duas palmas das mãos. Alise e transfira para o tabuleiro. Deixe espaço de 2 cm entre cada cookie. A massa é pegajosa, pode parecer missão impossível fazer bolinhas mas, com um pouco de paciência chega-se lá.

Coza por 10 a 15 minutos. Retire do formo e deixe arrefecer sob uma grelha. Mesmo que ainda lhe pareçam moles, ao secarem ficam mais rijos. Tentei cozer os dois tabuleiros ao mesmo tempo, estiquei o tempo para 20 minutos o que acho que foi um pouco acima do ponto ideal.

Da próxima vou experimentar eliminar metade o açúcar, talvez o mascavado já que o mel é parecido.

Rendeu 16 big cookies. Ainda há 14, alguém me vem ajudar nesta tarefa de os fazer desaparecer?

segunda-feira, 31 de Janeiro de 2011

Panna Cotta Príncipe



A panna cotta é uma sobremesa praticamente à base de natas, a maioria delas decoradas e complementadas com frutos silvestres e compotas. Esta tem a diferença de ter incorporado o sabor da erva-príncipe.


Ingredientes:

440 ml de natas
150 ml de leite
95 gr. açúcar
20 gr de erva-príncipe
4 folhas de gelatina


Preparação:

Aqueça o leite com as natas sem deixar ferver. Junte o açúcar e a erva-príncipe e deixe ficar em lume muito brando por 20 minutos. Desligue, tape e deixe repousar mais 15 minutos.

Entretanto demolhe as folhas de gelatina em água fria. Retire o excesso de água, volte a aquecer o leite e junte a gelatina até que fique bem dissolvida. Com a ajuda de um passador coe directamente para moldes individuais ou para uma taça grande.  Usei pequenas formas de queque as quais passei com um dedo molhado em óleo.

Leve ao frio pelo menos duas horas antes de servir. Para desenformar descole os bordos com uma faca e mergulhe uns segundos em água quente. Decore por exemplo com phisalys.

O gosto da erva-príncipe (descreveria como um sabor a limão adocicado) fica intenso nas natas. É excelente e super delicioso. Experimentem! Não use erva-príncipe seca, use fresca porque fará toda a diferença. 

Nota: quem não tiver erva-príncipe no seu quintal, o único local que descobri à venda (e nem sempre) é nos hipermercados Continente na zona das ervas aromáticas embaladas.

Já aqui tinha deixado uma receita com esta erva, o caril tailandês de peixe, espreitem aqui.


sexta-feira, 28 de Janeiro de 2011

Bacalhau à Chinesa



Não é um prato Chinês, apenas bacalhau com legumes (daquelas misturas congeladas).


Ingredientes:

Legumes q.b. (mistura chinesa congelada)
Bacalhau desfiado demolhado
Tomilho fresco
Azeite
Sal


Preparação:

Junte os legumes e o bacalhau, regue com azeite. Ligue o lume, tempere com tomilho fresco e deixe estufar aproximadamente 10 minutos. Mexa de vez em quando.

Um prato leve, simples, saboroso sem batata, arroz ou massa.


segunda-feira, 24 de Janeiro de 2011

Bolo "Mon Chérie"



Em honra dos bombons com o dito nome fiz um bolo em que a surpresa está lá dentro. O bolo é facilmente adaptável a vários tamanhos/quantidades, tudo depende dos ovos que usar.


Ingredientes:

4 ovos (ou mais se preferir um bolo maior)
o peso dos ovos em açúcar
o peso dos ovos em farinha
metade do peso dos ovos em manteiga
1 colher de chá cheia de fermento para bolos
12 bombons "Mon Chérie" (ou mais se preferir)
1 cálice de vinho Moscatel
3 colheres de sopa cheias de chocolate em pó


Preparação:

Bata bem as gemas com o açúcar, junte a manteiga amolecida e continue a bater. Adicione o cálice de vinho Moscatel e a farinha aos poucos. Tem tendência a ficar uma massa rija, se o achar em demasia junte um pouco de leite. Por fim adicione as claras em castelo.

Se for mais apressado(a), pode suprimir as claras e no início bater os ovos inteiros com o açúcar. O resultado final é similar.

Numa forma sem buraco, untada e polvilhada com farinha, deite metade da massa. Com um coador espalhe duas colheres de chocolate em pó por cima da massa. Deite com cuidado o resto da massa e alise. Disponha os 12 bombons por cima em dois círculos. Leve a cozer a 180º aproximadamente 40 minutos.

Os bombons irão desaparecer no meio da massa à medida que o bolo coze. Imagine agora a mistura de chocolate derretido com o licor que se libertou, algures estarão as cerejas no meio da massa,...uhmmm... O bolo foi feito no Sábado, no Domingo à noite só restava uma discreta fatia por "respeito", não sei bem a quê ou a quem?

Depois de frio e de desenformado decore com uma colher de chocolate em pó polvilhada através de um coador.

quinta-feira, 20 de Janeiro de 2011

Abóbora no Forno com Tomilho



E quando o arroz, a batata e a massa já nos cansam? Use e abuse dos legumes, faça deles o acompanhamento dos seus pratos. Sugiro abóbora no forno com tomilho e cebolas. Neste prato uso cebolas roxas mas como não as tinha de momento, improvisei com cebola branca.


Ingredientes:

Abóbora
2 cebolas médias (prefira as roxas)
tomilho fresco
sal
azeite

Preparação:

Descasque a abóbora e as cebolas, lave e corte em gomos. Disponha numa tarteira ou num tabuleiro de ir ao forno. Tempere com sal, tomilho e regue com um fio de azeite.

Leve ao forno a 200º durante 30 minutos. Não deixe que fique demasiado cozida e por consequência mole e a desfazer-se. Deve ficar um pouco al dente.

O truque da cebola: como não tinha roxa, reguei a cebola branca com vinagre balsâmico. Ficou assim uns minutos enquanto cortei a abóbora.

Só pela cor já vale a pena! Muito bom.

terça-feira, 18 de Janeiro de 2011

Paté de Alheira com Pasta de Tomate





Espero convencer os cépticos, aqueles a quem a alheira não convence. Eu mesmo pertenci a esse grupo, para mim alheiras (por força de as ver servidas nos restaurantes) só me faziam lembrar um monte de batatas fritas,  uma alheira atirada lá para cima e um ovo estrelado, tudo com um ar de imensa gordura a escorrer por todos os lados. Confesso que o cenário, quase parecido a uma sessão de lubrificação automóvel, não me convenceu durante muitos anos.

Mais tarde aprendi a cozinhar alheiras e reduzir-lhe a gordura ao mínimo, o que também depende da alheira que escolhemos. Os meus truques: prefiro alheiras de caça, habitualmente com carne de veado, coelho, faisão, e outras... todas carnes brancas. Depois aqueço água bem quente até quase ao ponto de ebulição. Desligo o lume e coloco a alheira completamente mergulhada uns 8 a 10 minutos até absorver bem o calor. A seguir é escorrida e limpa com papel absorvente. Finalmente numa frigideira anti-aderente coloco uma nozinha de manteiga e a alheira, sempre em lume no mínimo dos mínimos. Vire-a de vez em quando até que fique com a pele dourada. E garanto que não rebenta!

Hoje a sugestão é um paté feito com a alheira de caça acompanhado com um pouco de pasta de tomate.


Ingredientes:

1 alheira de caça
1/2 dente de alho fresco
3 colheres de chá de maionese
3 colheres de chá de pasta de tomate (procure na zona gourmet do hipermercado ou junto à pasta de azeitona)
1 folha de alface para decorar
mini tostas q.b.


Preparação:

Prepare a alheira como referi nos parágrafos iniciais. Depois de pronta, abra-a elimine a pele e retire com uma colher todo o seu recheio. Na picadora junte a alheira, o meio dente de alho e a maionese. Pique 15 segundos.

Disponha no recipiente de servir por cima de uma folha de alface. Com uma faca faça umas fissuras laterais que irá preencher com pasta de tomate.

Sirva ainda morno acompanhado de mini tostas. E vença o preconceito contra a alheira!

Como referi escolha uma alheira de caça. Se ao toque forem muito moles é porque tem muito pão e mais gordura, se forem mais rijas é porque tem mais carne e menos gordura. Prefira as últimas.

O paté de atum e de delícias do mar será que tem os dias contados em sua casa?

Bom apetite.




segunda-feira, 17 de Janeiro de 2011

Torta de Claras e Amêndoa com Recheio de Ananás e Tamarindo



O agri do ananás e o doce do tamarindo juntaram-se hoje num manto de claras. A amêndoa une-os a todos.


Ingredientes:

8 claras
200 gr. de açúcar
150 gr. de amêndoa triturada
50 gr. de farinha de trigo
4 rodelas de ananás de conserva
1 colher de açúcar
4 tamarindos


Preparação:

Bata as claras um pouco e junte o açúcar. Mantenha a bater pelo menos dez minutos até ficarem bem firmes. Com uma colher-de-pau envolva o miolo da amêndoa (triturada) misturada com a farinha. Pode usar amêndoa com ou sem pele. Eu gosto com pele.

Leve a cozer num tabuleiro grande, rectangular, forrado com papel vegetal e untado com manteiga ou spray. Coza a 180º aproximadamente vinte minutos até estar cozida e começar ligeiramente a dourar.

Para o recheio corte as rodelas de ananás em finas lâminas, junte a parte mole de quatro sementes de tamarindo cortadas ao bocadinhos. Adicione uma colher de açúcar e uma colher da calda do ananás. Leve ao lume numa frigideira até reduzir o líquido (aproximadamente cinco minutos).

Disponha sob a torta e enrole. É uma sugestão para aproveitar claras que podem ser perfeitamente congeladas.

Related Posts with Thumbnails